quinta-feira, 25 de outubro de 2007

VIDA DE TÉCNICO. por Rodrigo Curty

Pois é peixe, a casa caiu, mas deu Vasco na sua estréia como técnico de futebol. Tem coisas que só acontecem no futebol carioca, ser técnico e jogador num clube tão tradicional às vésperas de um jogo que poderia salvar o ano do cruzmaltino seria complicado para qualquer técnico já consagrado no futebol.

O erro talvez tenha sido do presidente Eurico Miranda que pediu ao grande Romário, o já eternizado Rei do Rio, para assumir uma função que de fácil não tem nada.

Pegar o América do México com a obrigação de fazer pelo menos dois gols e tentar a classificação nos penais, era realmente uma função difícil, mas para quem não tem e nunca teve medo de cara feia poderia ser o dia da glória, mas como jogar para alguém que sairia com os méritos sozinho?

A mudança no time a começar pelo goleiro Cássio por Sílvio Luis, manter o melhor do Vasco Leandro Amaral sem reclamar, seria mesmo uma missão complexa para esse craque consagrado, e que não tem pinta nenhuma de treinador. Todos sabemos que ele nunca gostou de treinar, então como cobrar de atletas do time em que não joga há quatro meses uma vitória?

Fala sério baixinho!!!

Mas parabéns pela primeira vitória como treinador, agora pergunta que fica é se permanece até o final do brasileirão, se o chefe pedir com certeza fica não é baixinho?