sábado, 19 de janeiro de 2008

PAEC??? - por Gustavo Cavalheiro

Existem níveis de tolerância e reciprocidade para qualquer tipo de atitude, mas admito que cheguei ao meu ápice, ao meu limiar máximo de loucura pelo que as Organizações Globo faz em nome de suas NORMAS E PADRÕES COMERCIAIS.

Nessa semana, numa tarde perdida qualquer, me deparei com a malhadíssima Copa São Paulo de Futebol anteriormente de Juniores e hoje de master-fraldinhas dos 15 aos 18 anos e a legenda do placar da transmissão da Sportv era PAE.

Comecei a pensar: PAE? Que time é esse meu Deus!? Era um time de uniforme amarelo e fiquei vasculhando meu neuro-catálogo futebolístico em busca de alguma equipe que seria PAE. Eis que o meu mundo desaba quando a bola sai e o locutor narra: Lateral pro PAEC!
Fiquei alucinado: Como assim, que time é esse? PAEC? PAEC?? PAEC???

O gândulinha entrega a bola ao lateral direito e o câmera mostra melhor o atleta. Num momento de O CÓDIGO DA VINCI, me senti o próprio Robert Langdon ao ler na camisa a frase: Pão de Açúcar.

Deus do céu! PAEC seria Pão de Açúcar Esporte Clube? Meus sentimentos eram um misto de ódio e de descrédito de como minha mente tinha captado essa mensagem cifrada por uma ilógica demoníaca do pretenso ícone máximo do poder da comunicação de massa e da informação latino-americana.

GLOBO, para mim, você chegou ao fundo do poço moral e estrutural nesse exato segundo! Você não tem o menor direito de desinformar dessa forma, neste tanto e a sua sorte é que eu não possuo poder algum, a não ser resmungar com você que lê, sobre esse estupro de mentes ao vivo e a cores.

Vou falar por parte e as claras: sou publicitário e conheço, muito bem, todos os valores e artimanhas do uso de marcas pelas empresas. Conheço a sordidez do Marketing de Guerrilha e o Marketing de Emboscada. Não sou a Poliana-adormecida do capitalismo que não compreende a intenção, por vezes, oportunista e maléfica de alguns em embarcar no Bote Suntuoso do esporte de alto-rendimento. Mas uma coisa você vai ter de concordar comigo, as Organizações Globo vem fazendo uma festa com isso faz tempo e não te convidaram pra dançar, só pra trazer o doce e a bebida.

Vamos aos fatos:

Por anos e anos você ouve o Galvão Bueno narrar corridas de Ferraris, Renaults, Hondas, Bmws, Mercedez-Benzs falando essas marcas de consumo numa boa, certo? Até a finada equipe da marca de moda italiana Benetton foi agraciada com as palavras adocicadas de Sir Bueno, mas você sabe quantas vezes a Red Bull teve seu nome falado nas temporadas de F1?

Nenhuma, por que se criou o estratagema medonho de chamá-la de RBR (RedBull Racing) e a sua sucursal a STR (Scuderia ToroRoso ou “Time Boi Vermelho” em italiano alusivo aos RedBulls) também ganhou a alcunha que gera uma “proteção” aos interesses comerciais da Globo em detrimento ao seu direito de informação.

Outro exemplo, a Salompas faz um torneio no Ginásio do Ibirapuera há anos. Investe muito dinheiro e esforça-se em trazer grandes times estrangeiros de vôlei feminino para desafiar os melhores times nacionais. O que a Globo faz ao cobrir o torneio em seu noticiário? Chama de Torneio Internacional de Vôlei, cobre a marca do patrocinador a todo custo.

Mais uma no mesmo esporte. Temos um time tradicionalíssimo do bairro de Santo Amaro, situado aos pés da estátua do bandeirante Borba Gato, que foi formado por funcionários e ex-funcionários de um banco estadual. Esse clube foi base das seleções olímpicas de prata e ouro, mas é chamado na Superliga atualmente de ECB. Leia-se Esporte Clube Banespa, que de fato hoje em dia nem mais marca é, pois após a privatização teve seu nome limado das agências e demais comunicações da espanhola Santander. Mais um belo deserviço público, já que o Banespa Clube (como já foi chamado pelos anos 90) nunca foi conhecido por sigla, quanto mais ECB, já a AABB (Associação Atlética Banco do Brasil) sim, é sinônimo de clube pelo país a dentro.

Voltando pro futebol do Pão de Açúcar EC (PAEC jamais!), Abílio Diniz investiu em um projeto de José Carlos Brunoro (ex-técnico de vôlei da campeoníssima Pirelli de Sto.André e “pai” da co-gestão Palmeiras-Parmalat) que trazia um programa social com garotos carentes da região das lojas, associando educação ao famoso peneirão do futebol. O resultado desse projeto é uma série de jovens que disputam seu lugar ao sol na copinha, enquanto privam o empresário sequer de ter o nome de seu time citado na transmissão, gerando um factóide esdrúxulo chamado PAEC.

Nessa esteira de nomes distorcidos e criados podemos citar o Lousano Paulista e depois o Etti Jundiaí que nunca tiveram seus nomes corretamente expostos, além do absurdo do time mexicano e habitue das Copas Toyota Libertadores, Chivas Guadalajara, que não tem seu nome citado pelo fato de confundir com uma bebida normalmente vendida, mesmo que essa não seja a razão do nome. (Chivas é um cabrito arisco e selvagem das montanhas do México). E nem vou falar sobre os jogos do Atlético Paranaense na Kyocera Arena em Curitiba

Outra forma de poder da Globo, que infelizmente é copiada por outros órgãos (Redetv e Diário Lance!), é a Coletiva de Nariz. Sabe aquela cobertura dos times que mostra a entrevista coletiva com o foco e o zoom máximo no nariz do entrevistado, com um medo danado de abrir 1 milímetro de visão sequer, mesmo em segundo plano dos patrocinadores dos times?

A hipocrisia é tanta que quando um patrocinador deixa o clube ou oferece um valor muito aquém do que deveria, esta nefasta empresa jornalística faz matérias denegrindo o antigo patrocinador por não apoiar o esporte. E é aí que te pergunto: quem realmente não apóia o esporte?

Seguinte, vou fechar esse longo relato com algumas perguntas mais sérias e eu quero que você pense seriamente a respeito:

Na tragédia vale mostrar a marca? Desgraça é notícia? Notícia não passa pelo Departamento comercial?

Então como se explica a Globo mostrar e falar abertamente por mais de 20 horas seguidas em todos os telejornais as marcas Fokker, AirBus, Boeing, Tam, Tam Express e Gol...

* todas as marcas acima citadas não terão de pagar pelo espaço, nem mesmo pela exposição, pois eu acredito que o investimento no esporte é nobre e merece destaque. A foto da matéria poderá ser chamada a qualquer momento por algum órgão de mídia como PdA.