sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

PRÁ FAZER VALER O FAVORITISMO - Por Rodrigo Curty

Dos times brasileiros na Libertadores desse ano, muitos acreditam que o que teve mais sorte no sorteio das chaves foi o São Paulo.

O São Paulo encara pelo grupo 7 o Nacional de Medellín, Sportivo Luqueño e Audax Italiano, por isso é realmente o favorito ao primeiro lugar.

Mas é certo dizer também que nem sempre é melhor encarar os times fracos tecnicamente, afinal esses crescem contra os considerados melhores e a pressão aumenta.



São Paulo: O tricolor entra na disputa em busca do seu quarto caneco. Mas o time não vem atuando bem. Tudo bem que dos considerados grandes de São Paulo, seria o único a se classificar as semi-finais, se o campeonato terminasse hoje.

O que conforta os torcedores que temem por um tropeço cedo como o ocorrido no ano passado, é que na Libertadores, o tricolor entra com outro espírito. Mas a preocupação existe já que o elenco está bem enxuto para essa temporada.

A expectativa é para que o atacante Adriano, principal contratação volte a imperar, e que os outros jogadores contratados como o zagueiro Juninho e o lateral-direito Joilson, vindos do Botafogo, além do volante Fábio Santos e o meia Carlos Alberto, façam por onde em vestir a camisa tricolor.

Muricy que espera esse título inédito deve contar com mais três novos jogadores, entre eles o lateral direito do Noroeste, Éder Sciola.

Time-base: Rogério Ceni, Joilson, Miranda, André Dias e Júnior; Hernanes, Richarlyson, Fábio Santos e Jorge Wagner; Dagoberto e Adriano. Técnico: Muricy Ramalho.

Nacional de Medellín: É a segunda força do grupo. Um time tradicional e entra para sua 14ª participação no torneio por ser o atual bicampeão colombiano.

O Nacional joga possui um bom toque de bola e saí com bastante rapidez nos contra-ataques. Umas das forças da equipe são os avanços de seus laterais.

No elenco estão nada mais nada menos a base da seleção nacional. Jogadores importantes como Ospina, Zúñiga, Moreno, Mendoza, Villagra e Vélez, devem fazer o time avançar na competição. O time busca o Bi na Libertadores e encara o favorito São Paulo na estréia.

Time-base: Ospina, Zúñiga, Moreno, Mendoza, Vélez, Amaya, Toro, Martel, Murillo (Francisco Arrué); Galván e Carmelo Valencia. Técnico: Óscar Héctor Quintabani.


SPORTIVO LUQUEÑO: Time que lançou Romerito, grande jogador do Fluminense na década de 80, chega para a sua terceira participação no torneio. Atual campeão paraguaio estreou bem e surpreendeu o Audax Italiano, jogando no Chile, com uma vitória de 2x1.

Mais a parada não vai ser nada fácil para os paraguaios. O clube perdeu vários jogadores e não contratou grandes nomes para temporada. Entre os destaques do Luqueño de 2007 que foi vendido está o goleiro Villasanti negociado com o Audax Italiano. Para substituí-lo, a diretoria contratou Enrique García, do 2 de Mayo.

Time-base: García, Paniagua, Duarte, Martínez e Román; Derlis Ortiz, Quintana, Mereles e Charles da Silva; Lazaga e Gigena. Técnico: Daniel Lanata.
Audax Italiano: O time começou muito mal a sua caminhada em busca de uma das vagas para a próxima fase.

O time que no ano passado quase atrapalha os planos do tricolor, manteve o seu grande jogador no elenco. Trata-se do meia Carlos Villanueva.


O bom meia recebeu diversas propostas como do Real Sociedad que quis pagar R$ 5 milhões e do CSKA que chegou a oferecer R$ 9 milhões.

Mantido no time mostrou insatisfação e afirmou estar descontente. De acordo com informações o motivo seria que os dirigentes do clube e o técnico Raúl Toro prometeram que ele seria liberado para o exterior, caso houvesse interesse.

É aguardar pra ver se o termômetro da equipe terá honra à profissão e também a camisa do Audax para o time avançar. É a zebra da chave.

Time-base: Villasanti, Rieloff, Roco, Garrido e Santis; Braulio Leal, Broli, Romero e Villanueva; Orellana e Renato Ramos. Técnico: Raúl Toro.


Bons jogos para os leitores do EA!