domingo, 17 de fevereiro de 2008

A TAÇA DA "CHAMPIONS" É NOSSA - por Gustavo Cavalheiro

Aproveitei a oportunidade criada pela Heineken, uma das marcas da Cervejaria Kaiser, para ver de perto a Taça da Liga dos Campeões da Europa, conhecida como Champions (Champions League).

Admito que sou um "viciado sexto-dan" em esportes, mais especificamente o futebol, e achava que era um cara extremamente chato em convencer a minha pacientíssima esposa para ver uma taça.

Fomos neste domingão, com um clima "chove x ferve em menos de 5 minutos", na hora do almoço rumo ao Jockey Club. Chegando lá, me deparo com a rua próxima ao portão completamente cheia. Festa de flanelinhas que faturavam bem, enquanto o Jockey (ou a organização) cobrava R$ 10 pela vaga no interior do Clube das Velozes Disputas Equestres.


Parecia um dia de Derby, de Fla-Flu numa escala bem menor, claro!

Chegando pela calçada do Jockey Club, andamos com um passo mais vagaroso, ritmados por um casal de idade bem superior (bem mesmo!) e não pudemos deixar de ouvir o papo deles.

- Quanta gente! Disse a senhorinha elegantemente vestida.
- Eles vieram ver a Taça da Uefa. Responde o tiozão
- Uefa? O que é isso?
- É a Taça Européia de futebol!
- Uma taça, só isso? Tinha de ser futebol pra ter tanta gente, né!

Faz muito sentido a pergunta da senhorinha que queria apostar nos seus amados cavalinhos e aqueles intrusos queriam ver apenas uma taça.
Não confunda o clima do evento com uma orda de hooligans enlouquecidos, ou torcedores organizados ameaçando os habitues do Jockey. Muito pelo contrário, o que se via eram famílias, esposas, namoradas e muitas crianças vestidas com camisetas de seus times europeus favoritos.

O evento era muito bem montado, tinha atrações para todo tipo de futebolista viciado. Desde o que queria pegar uma fila enorme e bater uma foto ao lado da taça, o que queria ver um cinema 180 graus, o que queria ver relíquias de finais anteriores e dos ídolos até os que queriam interagir no pebolim gigante (totó a partir de segunda na exposição no RJ), um gol a gol, vários joguinhos virtuais, UefaQuiz e uma área do Heineken Bar que pasava imagens dos jogos e vendia cerveja aos maiores de 18 anos.

Ao ver o interesse de muitas crianças na faixa de 8 a 14 anos vestidas com camisas de times e ídolos que desfilam em solo europeu, eu repensei meu tempo de criança em que era exposto ao Campeonato Italiano no domingo de manhã na Band e tinha a NBA como o ponto de aspiração de marca esportiva e idolatria aos grandes jogadores.

Hoje em dia, com jogos transmitidos ao vivo pela Record e Band, nos últimos 5 anos a Champions é o foco da garotada. Antigamente, lembro ver nas tardes frias do meio do ano as semi-finais e finais da Copa dos Campeões da UEFA, somente quando a Globo fazia o favor de tirar os enlatados PRIMO CRUZADO ou SUPERVICKY da grade.

Um ponto forte dessa mística é que hoje em dia a enxurrada de brazucas nos times faz com que o interesse da garotada resgate o amor a camisa que tinhamos antigamente. Os times europeus são os esquadrões de ídolos tupiniquins e por aqui só a taça é nossa (mas só por duas semanas), a boleirada é deles o ano todo.

Info: A taça exposta no Jockey Club de São Paulo entre 16 e 17 de fevereiro vai para o Jockey Club do Rio de Janeiro entre 23 e 24 de fevereiro.