quarta-feira, 12 de março de 2008

ATRÁS DO SONHO OLÍMPICO- por Rodrigo Curty

O time brasileiro de basquete enfrenta a partir dessa quarta-feira uma nova realidade. A troca do comandante. O objetivo é a classificação para os Jogos Olímpicos de Pequim.

O esporte que já foi o segundo em preferência nacional, não participa da principal competição desde os Jogos de Atlanta em 1996. Agora é torcer e sonhar com o retorno.

Claro que não foi por falta de bons jogadores que a seleção não participou, mas talvez por fatores psicológicos. Anteriormente a sorte foi tentada pelos técnicos Lula Ferreira, Helio Rubens e o Ary Vidal, excelentes comandantes, mas sem obter o sucesso esperado.

A esperança agora estará nas mãos de um espanhol, trata-se de Moncho Monsalve. Ele se apresentou hoje na sede da Confederação Brasileira de Basquete, no Rio de Janeiro, e afirmou que sem conjunto o time não chegará mais uma vez. Para o novo treinador não adianta ter ótimos jogadores se o time não jogar por todos ao invés de individualmente.

É bom os jogadores levarem a sério essa questão do coletivo, pois o assunto é levado tão a sério para Monsalve, que já deixou claro que quem não estiver com esse pensamento nem será convocado.

A comissão técnica também conta com José Netto, técnico do Rio Claro e que dirigiu a seleção brasileira quarta colocada no Mundial sub-19, em 2007.

A convocação acontece no dia 13 de maio, e a expectativa é de ter no grupo jogadores como Tiago Splitter, Guilherme Giovanonni, Leandrinho, Anderson Varejão, e Alex Garcia.

Programação:

De acordo com a CBB, Monsalve terá um mês a partir da convocação para ajustar o time que disputará o Pré-Olímpico Mundial, entre os dias 14 a 20 de julho, na Grécia.
O Brasil está no Grupo A, junto com a dona da casa, a Grécia, e o Líbano.


Serão duas equipes classificadas na primeira fase do torneio, sendo que no final, apenas três seleções carimbam passaporte para os Jogos.

Perfil do treinador:

Moncho Monsalve, de 63 anos, faz parte do Gabinete Técnico da Federação Espanhola. Começou a carreira como jogador na década de 60 e participou de 82 jogos oficiais pela seleção espanhola. Em 1972, iniciou sua trajetória como treinador, no Mataró.
Times que comandou:


Náutico Teneriffe, Cajá Málaga, Zaragoza, entre outros.

Bola na cesta Brasil!!