quinta-feira, 22 de maio de 2008

UMA NOITE HISTÓRICA - Por Rodrigo Curty

A quarta-feira foi emocionante, e sem dúvida será inesquecível para os tricolores cariocas. O Maracanã foi novamente o palco de um grande espetáculo. Fluminense e São Paulo, foram fantásticos. Dois times dignos de defenderem o Brasil na Libertadores. Quem dera todos os jogos fossem assim disputados, sem violência e com ambos os clubes atrás da vitória a todo o momento.

No primeiro tempo, o Fluminense que precisava de pelo menos um gol para levar a partida para os pênaltis, dominou o São Paulo que jogava pelo menos por um empate ou derrota por um gol para avançar as semifinais. Os quinze minutos iniciais foram arrasadores, mas o time bem comandado por Renato Gaúcho conseguiu marcar apenas um gol. Washington começava a fazer história. Já o São Paulo teve apenas uma chance de marcar.
Na segunda etapa a partida mudou de cenário. O técnico Muricy Ramalho, neutralizou a principal jogada do Flu, o lado esquerdo com o jogador Júnior César.
Assim como o Fluminense na primeira etapa, era a vez do tricolor paulista dominar a partida e cansar de perder gols.

De tanto insistir, o gol veio aos 24’ e para variar, de Adriano. Era a quebra de jejum da defesa do Nense, na Libertadores, jogando no Maracá. Mas o que muitos não esperavam, muito menos os cariocas, era que apenas um minuto depois, Dodô, para muitos chutando errado, colocasse o tricolor carioca novamente a frente do placar.

Faltava ainda mais um gol, e daí para frente a partida era lá e cá. O goleiro Fernando Henrique que falhou na partida do Morumbi, defendeu uma cabeçada de Adriano, teve sorte com um chute errado de Aloísio, que aliás, entrou muito bem na partida, no lugar de Dagoberto.
Do outro lado, Rogério Ceni defendia como dava. Foram quatro chances em apenas três minutos. Mauricio, Gabriel, Thiago Neves, todos com perigo e bem defendidos pelo capitão paulista. Mas de tanto insistir e se aproveitando da expulsão infantil do lateral Joílson, praticamente no último lance do jogo, do jeito que o São Paulo dificilmente levava gols na Libertadores (de cabeça), após cobrança de escanteio de Thiago Neves, novamente a presença do artilheiro que não marcava há oito jogos, Washington.
Parecia inacreditável o que acontecia, Renato Gaúcho e vários jogadores caíram em lágrimas, e se não bastasse no último suspiro do relógio, Richarlyson quase marcou após falta na entrada da área. Parabéns aos tricolores, um por ter passado do jeito que foi, e o outro por nunca ter se entregado e ter valorizado essa passagem histórica do Fluminense às semifinais. O tricolor paulista nunca havia caído nas quartas do torneio que conhece melhor do que qualquer outro time brasileiro.

Pela Copa do Brasil, o Sport mostrou novamente sua força jogando na Ilha do Retiro. O Vasco foi a bola da vez. Um primeiro tempo que teve de tudo, gols, chances perdidas, pênalti não marcado, reclamações e chuva, muita chuva. O primeiro tempo terminou com uma vantagem de 2x0 para os rubro-negros, resultado que se manteve durante toda a segunda etapa. Agora sem dúvida nenhuma a pressão em São Januário vai existir, e não se pode dizer quem passa para pegar Botafogo ou Corinthians, muita água vai correr na semana que vem, e vale a pena conferir.

Até amanhã!!