quarta-feira, 2 de julho de 2008

NOVOS TEMPOS - por Gustavo Cavalheiro

A partir da década de 80, algumas federações e alguns clubes do futebol brasileiro foram feitos reféns de seus líderes (monárquicos), que transformaram a política do clube em feudos baseados em seus egos.

Muitas vezes os clubes foram subjugados, fazendo milhares de torcedores de trouxas em insistirem em manter a paixão por algo que não era mais seu.

Ainda bem que as mudanças no futebol brasileiro estão acontecendo paulatinamente, algumas com quedas políticas vexatórias, outras com o definhamento dos clubes e uma com intervenção Divina.




Se alguém me contasse há uns anos atrás que :


Eurico Miranda sairia da presidência do Vasco,
Eduardo Viana (Caixa D'Água) não seria mais presidente da Federação Carioca,
Mustafá Contursi não seria presidente do Palmeiras,
Alberto Dualib sairia da presidência do Corinthians,
Eduardo José Farah não seria o presidente da Federação Paulista
Paulo Carneiro sairia da presidência do Vitória e
Beto Zini não seria o presidente do Guarani...


... eu diria que era totalmente impossível, inviável e absoluta ficção.


Para muitos, o futebol está se tornando mais higiênico com as ausências destes senhores, para outros o ditado que "só mudaram as moscas...." esconde uma certa restrição causada pelo desalento de anos de sofrimentos mascarados por conquistas esportivas, em detrimento de um crescimento sadio do clube. Acusações de enriquecimento ilícito de seus diretores e uma herança maldita para os atuais diretores é o que mais se ouve nestes times.

Falando em herança maldita:
Roberto Dinamite já demonstrou que o buraco deixado no Vasco é muito mais profundo que apenas o nome e o status de um ídolo possa lidar.


Dinamite precisa de assessoria séria e muita base de apoio para enfrentar a tempestade e que fique claro que nos últimos anos da Era Eurico, o Vasco montou equipes medíocres e transformou uma potência esportiva em um combalido co-adjuvente do futebol carioca.
Hoje a noite:
em 2 de julho de 1566 morria Nostradamus e não sou eu que vai dar uma de adivinho. mas analisando o jogo a tendência é de uma patida com muitos gols, grandes contra-ataques da LDU que sabe jogar e muita raça do Fluminense até o último segundo de jogo.
Pessoalmente prefiro que vença o time que investiu, contratou bem, formou um elenco fortíssimo e foi o tempo todo o melhor time da competição. Vai Flu!