sexta-feira, 15 de agosto de 2008

"PERALÁ" - por Gustavo Cavalheiro

Nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno! Temos de separar o joio do trigo e ver que até agora, alguns resultados brasileiros em Pequim foram ridículos, outros patéticos, outros medianos, alguns impressionantes e poucos heróicos.

A plantação de nabos brasileiros (palpitômetro) provam que as espectativas eram altas ou o desempenho é que está muito em baixa? Muitos já questionam a efetividade do dinheiro das loterias, aplicado diretamente nas confederações.

A imprensa futebolística (desculpe, não existe imprensa esportiva no país da bola!) sempre entra no oba-oba dos Panamericanos. Aí nas Olimpíadas vem com o famoso papinho de RECORDE SULAMERICANO.

"Peralá" tem algum boliviano do outro lado da raia? Algum chileno? Algum argentino que seja?Não me venham com pataquada!

Não sou daqueles que não reconhece alguns casos da evolução do esporte nacional. É evidente que a ginástica de Oleg Ostapenko evoluiu e muito com o dinheiro da jogatina estatal, o handebol também, que ao se fortalecer no âmbito latino-americano iniciou um novo plano de relação de forças e busca entrar no grupo das forças mundiais, com muito custo e demandando tempo e trabalho contínuo.

O esporte faz heróis e vilões com um fração de milésimo de segundo. 4, 8 ,12 anos ou mesmo uma vida em um detalhe. Faz parte, como diria o filósofo do BBB.

O que eu reclamo é: ASSUMAM SUAS DERROTAS! Aprendam com a dor e cresçam com isso. Recorde sulamericano deve ser falado em JOGOS SULAMERICANOS, não em Olimpíada. Olimpíada é mundial e se esconder em migalhosas vitórias mascaradas não faz crescer e compreender que o caminho a ser percorrido é longo. Isso só conforma quem pouco quer e querer pouco é uma doença pra alma.

Não enganem, não se enganem e não se deixem enganar. O Olimpo é para muito poucos e o nosso país não é uma potência esportiva. Os nossos heróis são aberrações do sistema vigente, alguns casos de mudança estão sendo plantados (cito natação e ginástica) mas a colheita é pro futuro, não pra esse passado chamado Pequim.

Acompanhe a atualização do Palpitômetro no comentário deste texto