segunda-feira, 8 de setembro de 2008

O SAMBA QUE GOSTAMOS DE VER - Por Rodrigo Curty

Nesse último final de semana a bola rolou pelo Campeonato Brasileiro. Pela Série A, quatro partidas fecharam à 24ª rodada.

Em Curitiba, o Botafogo que não perde no nacional, desde a 13ª rodada, derrotou o Coritiba por 1x0 com um golaço de Thiaguinho. De quebra o alvinegro chegou aos 42 pontos e acredita que possa surpreender ainda mais.

Nos Aflitos, Náutico e Ipatinga fizeram a partida dos desesperados. Melhor para o Timbu que conseguiu vencer por 2x0, com dois gols do atacante Felipe que começou no banco e saiu da zona de degola.


O Internacional sofreu, mas venceu o fraco time da Portuguesa por 1x0, gol de Magrão. O Colorado respira, já a Lusa preocupa. Quem não está tão preocupado é o Grêmio. O tricolor gaúcho arrancou um bom empate sem gols contra o tricolor carioca. Agora são seis pontos de diferença para o Cruzeiro. O Fluminense, por sua vez, voltou para a zona de rebaixamento.

O final de semana também foi marcado pela sétima rodada das Eliminatórias da Copa de 2010.
No sábado, Argentina e Paraguai empataram por 1x1, o Equador derrotou a Bolívia por 3x1, a Colômbia tropeçou em casa, e foi derrotada por 1x0 para o Uruguai, e o Peru venceu a Venezuela por 1x0.

Na única partida do domingo, a Seleção Brasileira venceu bem a seleção do Chile por 3x0. Era uma partida que poderia significar uma mudança geral na comissão técnica brasileira de futebol. O Brasil precisava da vitória por diversos motivos. Entre eles, o fato de que até o momento, ainda não havia vencido fora de casa nas Eliminatórias, e estava sem marcar gols nos dois jogos anteriores.

O estádio Nacional estava lotado. O clima estava frio e os jogadores pressionados. Sem dúvida, esses ingredientes poderiam fazer a diferença. Porém, o retrospecto contra o Chile, acabou prevalecendo. Essa foi à quarta partida de Dunga diante do adversário. E o Brasil venceu os quatro, marcou 16 gols (sendo 6 de Robinho) e sofreu apenas um.

O jogo foi eletrizante, bem disputado e contou com uma Seleção completamente diferente das últimas atuações. Ontem todos jogaram bem, inclusive os sempre questionados Maicon, Gilberto Silva e Josué, por exemplo, que estavam acima da média. Diego foi o melhor em campo, aliás, junto com o meia do Werder Bremen, os atacantes Robinho e Luis Fabiano também fizeram a diferença. O fabuloso foi essencial. Marcou duas vezes, e deu passe para o gol do companheiro de ataque. Ontem ele usou o físico, a malandragem, mas precisa melhorar o emocional. Às vezes exagera nas reclamações e no excesso de vontade.

O Brasil venceu o Chile por 3 a 0, e agora está em segundo lugar na classificação. É bem verdade, que os chilenos vacilaram quando tiveram oportunidades claras de gol. Talvez, o maior pecado deles, foi o de cutucar o Brasil antes da partida. Muito se falou que aprenderíamos à dança típica deles, mas o que se viu, foi uma aula de samba.

Hoje é fato dizer que todos criticariam caso tivéssemos perdido, como também muitos estão chateados com a vitória. Talvez, porque querem ver o Brasil mal das pernas, renovado e com quem honre a camisa. Sejamos sinceros. Ontem foi bem positivo a aplicação tática e a vontade mostrada de todos, ao vestir a camisa amarela repleta de tantas glórias.

Uma pergunta fica no ar. Será que o vento começa a soprar a favor de Dunga? Bem, a sorte da pressão veio na hora certa. Dois jogos relativamente fáceis. O primeiro desafio foi conquistado. Agora, no Engenhão, é aguardar por uma nova goleada contra a Bolívia.

Parabéns a Seleção que aos poucos espera retomar de vez, a confiança de uma torcida que é tão apaixonada.