terça-feira, 9 de setembro de 2008

PAGANDO DE EMERSON FITTIPALDI - Por Diego Senra

Os aficionados por corridas como eu sempre acompanharam as façanhas dos pilotos brasileiros pelo mundo, feitos estes que tiveram início com Emerson Fittipaldi, que colocou o Brasil no mapa do automobilismo internacional com seus títulos mundiais.

Entre outros talentos que tinha, Emerson era conhecido por sua regularidade, por se manter sempre competitivo e esperar a melhor oportunidade. Essa postura sempre foi ambicionada por muitos, mas requer muita atenção, competitividade em circuitos de baixa, média e alta velocidade e uma capacidade de preservar o equipamento, guardando munição para dar o bote no final.
Vários pilotos ficaram famosos por serem adeptos dessa estratégia, como Keke Rosberg (pai do Nico/Williams) que ganhou um título sem ganhar uma corrida sequer e, mais recentemente, Alain Prost, que foi tetra-campeão mundial mesmo sem ser um piloto arrojado e velocista.

Desde os primeiros treinos em Spa, sua preocupação foi estar no pelotão da frente, o mais próximo possível de Hamilton e Raikkonen, pensando em somar pontos para o campeonato, sabendo que se tratava de uma pista que seus rivais diretos pelo título sempre foram melhor que ele. No sábado, conseguiu se colocar entre os dois, largando em segundo, com o inglês na pole e o finlandês em terceiro.

Domingo, a pista amanheceu úmida e o brasileiro se programou para não arriscar, pois queria terminar a corrida. Na largada, Raikkonen fez a primeira curva por fora da pista e já veio com tudo na Eau Rouge, colocou de lado e prensou Massa até conseguir a ultrapassagem, partindo pra cima de Hamilton e ultrapassando o inglês na volta seguinte. Massa não lutou, pois pensou no campeonato e sabia que a corrida ainda estava começando e se concentrou em se manter perto dos líderes.

Após mais de 40 voltas e todas as entradas programadas nos boxes, Massa vinha em terceiro e tudo já parecia definido quando começa a chover. Alguns vêem como uma oportunidade e partem pra cima, outros apostam na troca de pneus, tudo para ganhar alguns pontos a mais, mas Massa se preocupou em ficar na pista e garantir o terceiro lugar.

Hamilton parte pra cima do Raikkonen, que fecha a porta, mas o inglês evita a batida cortando caminho pela chicane e ultrapassa Raikkonen. Hamilton sai mais tracionado, devolve a posição para Raikkonen no meio da reta (por cortar caminho), mas logo adiante retoma a liderança. Raikkonen perde a cabeça e roda sozinho, no desespero de retomar a vitória e voltar ao campeonato. Massa assiste tudo de camarote e o segundo lugar, em suas palavras, cai no seu colo.

Hamilton sobe a pódio, com Massa ao seu lado e um anúncio de investigação na ultrapassagem do piloto da McLaren. Horas depois, Hamilton é punido com um tempo relativo à um drive-through e cai para a terceira posição e a vitória cai no colo de Massa, que fica somente dois pontos atrás de Hamilton e o campeonato totalmente aberto.

Apesar de entrar na corrida só pensando no campeonato, o brasileiro vê diminuir a diferença para o líder e Raikkonen ficar cada vez mais fora da luta pelo título. Nesse próximo domingo tem o GP de Monza em Imola, pista onde tradicionamente Massa vai mal e todos seus concorrentes vão bem. Só nos resta torcer.

Tapetão

Após a punição de Hamilton, a McLaren se revoltou e anunciou que vai entrar com um recurso para revogar a pena e devolver a vitória e os pontos para o inglês. Trata-se da 5ª. punição ao piloto em 13 corridas. Nesse caso, a equipe reclama que Raikkonen também passou por fora da pista para preparar sua ultrapassagem sobre Massa e que Hamilton já teria devolvido a posição para Raikkonen e por isso, não teria se beneficiado de atravessar a chicane.

Para mim, punição indiscutível, pois Hamilton cortou a chicane quando deveria tirar o pé. No dia seguinte, a FIA anunciou que vai analisar se aceita o recurso, até porque foi uma punição de drive-through aplicada pelos comissários de pista e, para esse tipo de punição, não existe recurso.

GP2 quase definida

Em duas corridas cheias de punições, batidas, pit-stops disputados e trocas de posições, nenhum dos dois pilotos que disputam o campeonato marcaram pontos. Bom pra Giorgio Pantano, que fica a uma etapa de garantir o título, já que 11 pontos o separam do brasileiro Bruno Senna. Não é impossível, mas é muito difícil que o brasileiro consiga tirar a diferença. Destaque para Lucas Di Grassi, que pontuou mais uma vez e deixa para todos a impressão de que, se tivesse disputado o campeonato todo, brigaria pelo caneco. E lamentável a atitude de Pantano, que na primeira prova tirou Di Grassi da corrida propositalmente, de acordo com os comissários e foi desclassificado da segunda bateria.

Notas Rápidas

* Helio Castro Neves ganhou, mas não levou na Indy. Ele largou em ultimo e ganhou a prova por menos de 15 cm., mas Scott Dixon chegou em segundo e faturou o campeonato de 2009.
* O brasileiro Raphael Matos é o campeão da Indy-Lights com a paulista Bia Figueiredo em terceiro, que ganhou com muita justiça o troféu de Estreante do Ano.
* Em Jacarepaguá rolou mais uma etapa da GT3. Tudo exatamente dentro do esperado. Uma vitória da dupla Rosset/Salles e outra de Negrão/Mattheis, com uma disputa acirrada pelo título, com diferença de apenas 1 ponto.

Apostas da Semana
Bom, como no próximo fim de semana vão ter corridas em várias categorias, vou tentar acertar pelo menos os vencedores, já que acertei de novo o vencedor da semana passada. Na F-1 deve dar Raikkonen, Massa e Hamilton. Na Stock, aposto em Ricardo Maurício, Marcos Gomes e Thiago Camilo. Na GP2, acho que Senna ganha pelo menos uma das baterias, mas Pantano leva o título.