sexta-feira, 19 de junho de 2009

INGRATIDÃO PREVISÍVEL - Por Rodrigo Curty

A noite paulistana estava preparada para mais uma festa tricolor no Morumbi. A torcida, apesar da desconfiança com a equipe sempre vitoriosa e que hoje vive má fase até certo momento fez a sua parte apoiando. Talvez, porque do outro lado estava novamente o Cruzeiro, clube responsável por uma das melhores partidas apresentadas pelo São Paulo no ano, válida pelo Campeonato Brasileiro. Para quem não se lembra foi um 3x0 com direito a olé.

Mas os próprios são paulinos já deveriam lembrar que a Libertadores é um outro torneio. Se naquela ocasião o sempre contestado, na minha opinião injustamente Muricy Ramalho sacou peças importantes como Jorge Wágner e Hernanes do time e lançou Marlos, o melhor em campo, por que não repetir? Foi aí que entendo que ele tenha errado ontem ao tentar a mesma estratégia. O São Paulo se preocupou mais em não levar um gol do que fazer o que poderia ter lhe dado a classificação. Eu teria entrado com Dagoberto e com um dos dois jogadores citados acima. Seria o São Paulo previsível, mas também o que dá certo quando menos se imagina.

De qualquer forma, o fato é que o torcedor deve respeitar a decisão tomada pelo treinador, afinal, ele é que vive o dia a dia com os atletas, sabe do potencial e acima de tudo, no caso de Muricy é um estudioso do futebol. Antes de falar mais de Muricy, vamos ao lado vencedor.

O Cruzeiro entrou em campo brilhante taticamente. Mesmo com desfalques de Ramires, Athirson, Thiago Ribeiro e Fabrício, que acredito fariam bem mais falta do que o de seu adversário que não tinha Miranda, o time foi valente, unido e soube a hora certa de acreditar mais em si e respeitar menos. Foram inúmeras chances, mas o destino quis que o Cruzeiro não saísse com um placar elástico. Mas pode ter certeza que o placar de 2x0, sendo um golaço de Henrique e Kléber de penâlti não será esquecido tão cedo pelos cruzeirenses. Parábens Cruzeiro pela classificação. Agora é bom respeitar o Grêmio, clube no qual volta a enfrentar no torneio, após 12 anos, ano em que se tronou Bicampeão. Será que a história se repete? Vamos aguardar.

Já em relação ao São Paulo, o momento é de assimilar mais uma eliminação na competição por um time brasileiro e começar a saber e entender que perder faz parte do futebol. Desde 2006 a história se repete. Conseguiram a façanha - Internacional, Grêmio, Fluminense e agora Cruzeiro. O curioso é que entendo que a equipe em tese é mais forte que nos anos anteriores, mas não consegue mostrar isso.

Por isso, hoje a maioria dos dirigentes tricolores estudam a saída de seu comandante e de alguns atletas. Acreditam que o ciclo vitorioso de Muricy chegou ao fim. Cá entre nós, se tomarem essa decisão, sem dúvida serão mais prevíveis do que o próprio time e extremamente ingratos, ou seja, a culpa da derrota é sempre do treinador? O torcedor deve sim reclamar, mas também respeitar um pouco mais o trabalho e o profissionalismo de um verdadeiro são-paulino, mesmo que esse aparentemente não consiga extrair muita coisa de seus comandados que tudo leva a crer estão rachados e com picuinhas internas, será? A única coisa que arrisco dizer é que uma derrota para Corinthians domingo será a gota d'água.
Termino com uma sugestão ao tricolor - Se quiser se manter forte e exemplo para muitos clubes do Brasil é importante a direção são- paulina se preocupar menos com a estrutura da Copa de 2014 e pensar mais na equipe. Até a próxima!!