quinta-feira, 18 de junho de 2009

O PODER DE DECISÃO - Por Rodrigo Curty

A primeira final da Copa do Brasil foi excepcional. Quem dera as partidas que assistimos por aí tivessem a mesma intensidade, vontade, determinação táctica e equipes sem o medo de perder como a que foi apresentada por Corinthians e Internacional no Pacaembú.
Todos sabemos que ambas as equipes passaram as finais com sofrimento. O Timão passou pelo Vasco de uma forma dramática, qusitionada, mas também com merecimento. Já o Colorado passou sufoco contra um valente mais bem mais frágil Coritiba. Enfim, infelizmente apenas um dos dois poderá ser o primeiro representante brasileiro na Libertadores 2010.
No ano de seu centenário, o time gaúcho, sem dúvida mais cotado pela maioria como o favorito a esse título perdeu a primeira. Talvez pelas ausências mais que sentidas de Kléber e Nilmar que servem a seleção e a de D'Alessandro contundido. Isso sem falar de Bolivar, susbstituído por Danilo Silva e mesmo sem ser um lateral de ofício, provavelmente na pior das hipóteses teria cometido penâlti em Marcelo Oliveira no lance do primeiro gol, marcado por Jorge Henrique. Bem nunca saberemos.
Do lado paulista, que comemora o seu centésimo aniversário no ano que vem e quer como presente a vaga no torneio Internacional teve que utilizar Marcelo no lugar do grande desfalque, o lateral André Santos que também serve a Seleção Brasileira, na Copa das Confederações, e Wellignton Saci. Para alegria dos corinthianos, o destino quis assim.
Em relação a partida, como já comentei foi espetacular. Muitas alternativas, os dois times buscando o resultado, e alguns destaques em particular. Vamos a eles:
Do lado Colorado, destaque para o menino Taison. O veloz atacante infernizou a boa zaga do Timão com seus dribles, toques de primeira, tabelas com Magrão e Guiñazu. Destaque também para o meia Andrezinho que quase marcou um belo gol de falta.
Pelo lado do Corinthias, o principal jogador foi novamente Felipe. O goleiro está definitivamente blindado. Não passa nada, quando passa a trave salva, vem sendo assim desde o Paulista. Ontem o arqueiro foi fundamental. Salvou pelo menos três oportunidades gaúchas. Claro que não podemos esquecer do fenômeno. O craque aparece na hora certa e resolve. Depois de um lance polêmico no meio de campo, onde houve ou não falta, enfim, e Elias deu um lindo passe para o "gorducho" que conseguiu vencer o zagueiro Índio, e se não bastasse conseguiu ainda driblar com a perna direita e fuzilar com a esquerda o bom goleiro Lauro.
Por fim, o resultado de 2x0 mostra que a equipe de Mano Menezes amadureceu. Diferente do ano passado onde a vitória por 3x1 contra o Sport custou caro, arrisco dizer, pelo que nos mostra os números, que dificilmente a história se repita. Para ser campeão o Colorado precisará repetir o placar, levando a decisão para as penalidades ou vencer por 3x0. Aí é que está a complicação, pois desde que assumiu o Timão, em 106 jogos, Mano Menezes jamais perdeu por esse placar. E contra o rival, em sete oportunidades, ele só perdeu uma. Foi justamente na primeira partida do Nacional com o antológico gol de Nilmar.
Vale ressaltar também que o Corinthinas marcou gols em todas as partidas fora pela Copa do Brasil. Se marcar no Beira-Rio, no dia 01/07, o Inter precisará fazer quatro gols. Algo possível pela qualidade, mas muito difícil pelo momento, uma vez que o Timão mostra que o seu poder de decisão está afiado. É aguardar para ver.