segunda-feira, 13 de julho de 2009

RODADA NOTA 10 - Por Rodrigo Curty

A décima rodada do Brasileirão, da Série A, em matéria de gols não poderia receber uma nota que não 10.
Em dez partidas, a rede balançou 37 vezes. Uma média de 3,7 por jogo.
O destaque nas partidas de sábado ficaram por conta dos vencedores. A estrela solitária derrotou o fraco time do Avaí, na Ressacada por 2x1, e mesmo que por apenas uma noite, conseguiu dormir fora do G4 do mal. É bem verdade que muita coisa tem que melhorar em General Severiano. O mesmo dá para se dizer do Náutico. O Timbú foi goleado pelo Palmeiras que segue forte com Jorginho no comando, por 4x1, e definitivamente não mostra poder de reação, assim como seu comandante Márcio Bittencourt que foi demitido. Também pudera. Em cinco jogos foram cinco derrotas. Quem chega para tentar salvar a equipe é Geninho. Por fim, o Barueri segue surpreendendo. Dessa vez, a vítima do quinto colocado foi o Coritiba que não sabe o que é vencer fora de casa. Abre o olho Coxa.
Na rodada de domingo destaque negativo para o Corinthians. O Timão que não pisava no Olímpico desde sua queda em 2007 foi goleado pelo Grêmio - 3x0. Para se ter idéia, o técnico Mano Menezes que está no comando há 18 meses nunca fora derrotado por uma diferença de 3 gols. Mais calma torcedor, afinal perdeu quando podia. Parabéns ao tricolor gaúcho que finalmente encontrou o caminho dos gols, assim como Alex Mineiro que não marcava desde março.
No clássico do Morumbi, o São Paulo voltou a tropeçar. O tricolor na primeira etapa foi dominado pelo desfalcado time do Flamengo. O rubro-negro abriu o placar com Fierro, após falha bisonha do goleiro Denis. Depois, graças a um belo lançamento de Miranda, o melhor da partida, Borges empatou. O problema é que Adriano resolveu dar o ar de sua graça e levou a melhor sobre Jean Rolt e Renato Silva que o derrubou na área, pênalti. Ele mesmo bateu e não comemorou por respeito ao clube que o trouxe de volta. Antes do final, Renato Silva foi expulso, após receber o segundo amarelo. Errado aquele que imaginou o Mengão voltaria com tudo na segunda etapa. Com um futebol burocrático e sem pressionar acabou castigado aos 20' quando em uma jogada de meia, novamente Miranda resolveu para o São Paulo. O zagueiro foi derrubado fora da área e o pênalti foi marcado. Jorge Wagner deixou tudo igual. Daí para frente o jogo seguiu equilibrado e no fim, o erro capital. Ricardo Marques Ribeiro não marcou a penalidade máxima de Everton Silva em Washington. É a tal da lei da compensação.
No clássico do Mineirão, deu Atlético MG. O Galo derrotou o totalmente reserva Cruzeiro que joga a final da Libertadores na 4ªf, por 3x0, assumiu a liderança e ainda quebou um jejum que já durava doze jogos, sendo dez derrotas. O destaque negativo foi o atacante Zé Carlos da Raposa, que foi expulso com apenas 12"por ter dado uma cotovelada no rosto de Renan. Essa é a expulsão mais rápida da história do Brasileiro.
Já na Arena da Baixada, o Internacional parecia que voltaria a sua normalidade. Engano. O Colorado levou a virada e perdeu para o Atlético PR por 3x2 e que agora respira. Olha o Gre-Nal aí Tite.
Em Recife, o Sport fez a lição de casa e derrotou o Goiás por 1x0 e segue fora do rebaixamento. Foi a primeira derrota fora de casa do Esmeraldino que vem bem na competição. O mesmo não se pode dizer do Santos que foi goleado pelo bom time do Vitória. A equipe de Carpegiani, terceira colocada sacudiu seis vezes a rede do peixe que marcou apenas dois. Mancini balança. Quem não balança mais por que caiu, foi Carlos Alberto Parreira. O motivo foi claro. A derrota de 1x0, no Engenhão para o Santo André, que segue entre os dez melhores do Brasil. É bom ficar esperto tricolor.
É isso aí. Depois eu volto com o retorno da rodad de meio de semana. Até a próxima!!