sexta-feira, 3 de julho de 2009

TRICAMPEONATO À VISTA - Por Rodrigo Curty

A edição de número 50 da Libertadores da América, após belos jogos, desistências de times mexicanos, por causa da temível gripe suína, e surpresas como Caracas e Defensor, por exemplo, chegou a sua reta final.

A finalíssima com todo respeito aos outros países não poderia deixar de ser entre Brasil e Argentina. Essa será a 12ª vez que os países medem forças. A vantagem argentina é enorme. Nos onze confrontos anteriores, o Brasil venceu apenas três vezes, com o próprio Cruzeiro em 76, contra o River Plate, com o Santos em 1963, contra o Boca JR, e com o São Paulo em 1991, contra o Newell's Old Boys.

Agora o representante dos Hermanos será o Estudiantes de La Plata. A equipe é muito bem liderada pelo craque Verón, e eliminou o tradicional Nacional do Uruguai com dois resultados positivos. 1x0 e 1x2. O time tem um bom meio de campo e um ataque que não vacila. É bom ficar esperto.

Em compensação, do lado brasileiro, o representante será o Cruzeiro. Essa que é sem dúvida a melhor equipe da competição. Ao todo foram doze partidas com nove vitórias, dois empates e apenas uma derrota, justamente para o Estudiantes e de goleada - 4x0.
Mas o time comandado por Adilson Batista ainda marcou 21 gols e sofreu apenas dez. Mesmo se entender que não foi justa essa chegada a final, mais dados. A Raposa na Libertadores mostrou seu valor em campo e eliminou fortes candidatos como o São Paulo, em pleno Morumbi, e ontem o Grêmio, o melhor time da primeira fase em um fervoroso Olímpico, que contou com a presença de apaixonados e também de racistas. Um absurdo!! A vantagem da equipe mineira era excelente. Na primeira partida o resultado de 3x1 ajudou e muito, mas abrir 2x0 e não perder para um grande copeiro é de se admirar.

Por isso, na minha opinião, também chegou a final por causa do planejamento que foi feito, por saber resolver os problemas que teve com desfalques importantes e por ter um elenco que supre qualquer necessidade. Por exemplo a entrada de Wellington Paulista, desde às quartas-de-final. Vale lembrar que apenas nas partidas contra o tricolor gaúcho o artilheiro deixou sua marca três vezes.
Por mais que exista a rivalidade, eu sinceramente acredito na terceira conquista mineira (campeão em 1976 contra o River Plate-ARG e em 1997 contra o Sporting Cristal - PER ). E vou mais longe. Se não tiver mais baixas até o final do ano, por que não acreditar também inédito título mundial?

Vamos aguardar para ver essa super decisão. O primeiro confronto deve ocorrer na Argentina, que luta contra a gripe suína. Até Mais!!