segunda-feira, 29 de março de 2010

A QUEDA DOS TRICOLORES - Por Rodrigo Curty

Na semana passada eu escrevi sobre os clássicos que fazem a diferença. Retratei Corinthians e São Paulo, e Fluminense e Vasco. Alguém questiona que ambos não resolveram a situação daqui pra frente dos quatro clubes?

Em São Paulo, o clássico foi o perfeito "majestoso" como é conhecido o confronto. O Corinthians começou arrasador, buscava os gols a todo momento. O tricolor se acanhava e não conseguia sair pro jogo. Depois de duas bolas na trave, o Timão abriu o placar. Após bela jogada de Dentinho, e passe inteligente de Ronaldo, o elemento surpresa dos clássicos Elias marcou um belo gol. Daí pra frente foi mais pressão alvinegra e aos 33', novamente com jogada de Dentinho, Danilo, meia que sempre marcou contra o Timão nos tempos de São Paulo, fuzilou de pé direito, um golaço.

Após isso, a confusão que não poderia faltar no duelo, claro. Washington tentou roubar a bola de Dentinho e levou uma cotovelada. Erradamente, mas talvez para evitar a perda do controle da partida, o árbitro Wilson Luis Seneme expulsou os dois. Melhor para o tricolor que não teve mais que se preocupar com as jogadas do atacante corinthiano e conseguiu diminuir no final da primeira etapa com Jean, depois de grande jogada de Dagoberto.

Vem a segunda etapa e um equilibrio maior no campo. O São Paulo pressionava em busca do empate, mas foi o Corinthians que estufou as redes. De falta, ao seu melhor estilo, Roberto Carlos, aos 7' fuzilou. A bola foi forte, mas no meio do gol, tudo bem que quicou antes, e o campo estava molhado, mas um goleiro experiente e com o calibre de Rogerio Ceni não poderia ter falhado. 3x1. Foi aí que quando tudo parecia decidido, o tricolor com falhas do goleiro Rafael Santos, e de bola parada aos 29' e 37'chegou ao empate com dois gols do volante Rodrigo Souto, que devia uma boa atuação desde que chegou ao clube.

Mas, pra variar uma nova falha defensiva resultaria em mais um gol. Iarley que substituiu Ronaldo fez uma boa jogada pela esquerda e chutou pra área, a bola veio na cabeça de Alex Silva e matou Rogério Ceni. Resultado final. 4x3 que deixa o tricolor ainda no G4, e com um balanço negativo em clássicos, afinal perdeu todos que disputou, e um Timão vivo no torneio e com um pouco mais de paz.

No Rio de Janeiro, a paz também voltou a São Januário. E quis o destino que Jefferson se machucasse no início da partida para a entrada do ídolo cruzmaltino Carlos Alberto. O meia e Philippe Coutinho acabaram com o Fluminense. Quem diria, o Vasco entrou em campo favorecido pela vitória de seu maior rival, o Flamengo que venceu o América minutos antes por 2x1. E essa disposição se viu em campo.

O tricolor estava irreconhecível, errando passes, levando pressão a todo momento e teve que se contentar com um primeiro tempo equilibrado. Já na etapa final, sem alternativas, o Vasco veio com tudo e chegou lá aos 13' com Thiago Martinelli. O jogo ficou equilibrado, mas com o time de São Januário levando mais perigo. E as coisas ficaram ainda mais tranquilas quando o zagueiro Leandro Euzébio, aos 35' cometeu falta em Dodô, que entrara no lugar de Élton e foi expulso.

Daí não teve jeito, com mais espaço e um adversário "morto", foi tocar a bola e encontrar os gols. Aos 42' Carlos Alberto deu um passe soberbo para Dodô fazer as pazes com o torcedor. 2x0 Vasco. E ainda deu tempo pra mais um. E novamente de um reserva. Fagner substituiu Elder Granja e deceretou o placar final. 3x0 que faz o time da Colina depender de uma simples vitória contra o Duque de Caxias para se classificar as semifinais. Do outro lado, fica a dúvida se o time terá emocional para não cair novamente na próxima fase.

Em tempo, um tricolor que vai muito bem obrigado, é o Grêmio que chegou a marca de 13 partidas sem derrotas e com uma invencibilidade de 50 jogos no estádio Olímpico.

Até a próxima!