sexta-feira, 17 de setembro de 2010

SOBERANIA CONTESTADA - Por Rodrigo Curty

Hoje em dia no Brasil, é cada vez mais comum os times de futebol lançarem filmes que retratam a história gloriosa de sua agremiação.
Há algum tempo, o Internacional que completou 100 anos, em 2009 lançou o chamado "Nada vai nos separar". Recentemente foi a vez do Corinthians lançar o filme retratando o seu centenário. "Todo Poderoso: O filme- 100 anos de Timão". Em outros tempos, Flamengo, Vasco, Grêmio, e por aí vai, também fizeram seus filmes. Mostrava as glórias, as vitórias sofridas, o dia a dia do clube, enfim.
Hoje foi a vez do São Paulo lançar mais um filme, mas agora no cinema. O película registra os seis títulos nacionais conquistados pelo tricolor paulista. Um amado clube brasileiro, que continua grande, porém menos forte que outrém, de forma que dentre os grandes ainda em muitos aspectos é realmente o primeiro. Mas o que a torcida são-paulina espera é que suas glórias não fiquem apenas ligadas no passado como também retrata o hino.
Neste ano, o Brasileirão mais uma vez segue equilibrado. Muitas surpresas, decepções e quase com um cenário de algumas possíveis certezas de quem poderá ser o campeão, os representantes na Libertadores da América, e claro os possíveis rebaixados.
O então "soberano" São Paulo, após três vitórias seguidas voltou a decepcionar. Se no domingo levou um show do Botafogo, ontem não foi diferente contra o Internacional, em pleno Morumbi, Derrota por 3x1, que deixa claro a falta de criatividade, comando e vontade de alguns jogadores. O filme que estreia hoje nos cinemas pode ter vindo em um bom momento, pois ofusca a péssima campanha no ano com os tempos de soberania.
Ainda é cedo para saber qual será o final do filme atual do São Paulo, mas uma coisa não pode ser esquecida, respeito é bom e conserva os dentes. Marco Aurélio Cunha, superintendente do São Paulo nesta semana foi muito infeliz em seu comentário sobre o novo filme do São Paulo. Ele declarou que daria para fazer um filme para cada conquista da Libertadores, e antes da hora, se é que existe hora para cutucar rivalidade afirmou que o São Paulo faz filme por muitos títulos, diferente de outros que fazem apenas por um gol, no caso o lançado pelo Corinthians de nome "23 anos em sete segundos".
Em tempo, o Vasco, o rei dos empates, mas uma ve tropeçou em casa. Adivinhe quanto foi o jogo.
1 x 1 contra o Avaí, do histórico comandante vascaíno Antônio Lopes.
Até a próxima!!