segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

TRÊS CORES QUE TRADUZEM TRADIÇÃO - Por Rodrigo Curty

E acabou mais uma edição do Campeonato Brasileiro, Série A. E deu Fluminense. Na 6ªfeira, eu havia sinalizado sobre a possibilidade da zebra e como as equipes poderiam fugir dela. Pois é, e não é que ela quase deu as caras?

O Cruzeiro lutou até o final contra o time reserva do Palmeiras. Destaque da partida foi o goleiro alviverde Bruno com defesas milagrosas. No fim, o placar de 2x1, de virada deixou a Raposa com o vice-campeonato.
Já o Corinthians vacilou mais uma vez. O Timão que apostava na "mala branca" e em gols para desesperar o tricolor carioca não saiu de um apático empate de 1x1 contra um mesclado por reservas e juniores do Goiás. Definitivamente, o ano do Centenário deve ser esquecido pelos torcedores.
Mas, e o campeão? Bem, quis o destino que o título ficasse nas mãos do clube que canta em seu hino que o Pavilhão conta com três cores que traduzem tradição. O branco, o verde e o grená, traduzidos em paz, esperança e vigor unido e forte pelo esporte.
O tricolor mostrou realmente força e dedicação ao longo das 38 rodadas. Mesmo assim, muitos hoje vão dizer que o Fluzão foi ajudado na reta final, outros, porém mais lúcidos dirão que a incompetência de outros é que resultou na conquista. Não interessa o que pensa um ou outro, o que vale é a opinião de cada um, e a minha é que o título foi justo pelo simples fato de galáticos quase não terem sido utilizados pelo campeoníssimo técnico Muricy Ramalho. É o caso, por exemplo de Deco, Beletti, Fred e Emerson, o autor do gol do título, aos 16' da etapa final, na vitória de 1x0 sobre o valente mais fraco tecnicamente Guarani.
O tricolor carioca é um dos clubes mais individados do Brasil. Neste ano, investiu R$30 milhões, e mostrou que um time não é feito apenas de craque, mas sim de elenco, de guerreiros. Foram 20 vitórias e apenas sete derrotas. O time liderou a competição por muito tempo, queimou gordura na hora certa, e por isso não tem como não aceitar essa conquista, que de quebra coloca novamente o Rio de Janeiro no cenário mundial. Ano passado com o Flamengo e agora com o Flu. Antes disso, o Rio conseguiu a proeza apenas em 82,83(Flamengo) e 84 (Fluminense).
Parabéns ao tricolor que com Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio, Carlinhos, Diguinho, Júlio César, Conca, Emerson e Fred, mas também com muita ajuda de Washington, Rodriguinho, Valência, Fernando Bob, Deco, Beletti, Tartá, entre outros, depois de 26 anos de jejum no brasileiro, finalmente pode gritar "É campeão".
crédito foto: Alvinho Duarte