quinta-feira, 31 de março de 2011

PAGAR PRA VER - Por Rodrigo Curty

E a novela Adriano finalmente chegou ao seu final. O Imperador se apresentou ao Corinthians. Diferente da chegada de outro grande astro no país, Luis Fabiano, no dia de ontem, no rival São Paulo, no CT Joaquim Grava não houve festa. Talvez pelo fato de não ter ocorrido grande badalação do torcedor com o jogador ou por problema de estrutura física para receber a massa alvinegra, enfim.

A questão que fica para os próximos dias, é se os que hoje não desejam Adriano na equipe pagarão a língua ou se estarão com a razão. Somente o tempo vai dizer. Por outro lado, a quem diga que neste cenário todos os envolvidos erraram. Errou Adriano de sair da Roma, errou o Flamengo, através de Vanderlei Luxemburgo, em não aceitá-lo de volta pela identificação que tem com o clube e desejo do torcedor, isso sem falar da dívida atual, e errou o Corinthians de acreditar que ele não será mais o mesmo dos últimos episódios.

Eu penso que Adriano será outro por que neste imbróglio está o nome de seu amigo Ronaldo. O Fenômeno tirou o Imperador das mãos de Gilmar Rinaldi, e dá o tal carinho que ele precisa para voltar a brilhar e retornar a Seleção Brasileira, que segundo ele é a grande meta nesta nova fase da carreira. Bola ele tem de sobra, mas o que precisa saber é se ele terá vontade, determinação e personalidade com as cobranças que não serão poucas. Serve para ele o exemplo vivido com Roberto Carlos. Enquanto correu, se dedicou era excelente profissional, mas bastou a eliminação da pré-libertadores para ser execrado.

O contrato de risco firmado com Adriano me fez lembrar os tempos do zagueiro Valbér no São Paulo. O zagueiro era um craque de bola, técnico demais, porém sofria com problemas de comportamento, ou você não se recorda das inúmeras idas ao "dentista"? Pois é, nem por isso ele precisou assinar que se saísse da linha teria o seu contrato rompido. Não interessa, sou do tempo que o jogador podia fazer o que bem entendia fora de campo, desde que resolvesse dentro dele. Os torcedores muita das vezes preferem os "loucos" aos "bonzinhos".

O grande problema hoje é a mídia que para vender notícia ou prejudicar alguém faz de tudo para destorcer os verdadeiros fatos, mas claro, que assim como em qualquer atividade, existem as exceções. E temos aqueles que fazem e muito bem o jornalismo esportivo e que falam apenas quando realmente se tem propriedade e fundamento da notícia.

Sinceramente, eu torço demais para que Adriano cale os críticos e dê a volta por cima. E torço mais ainda para que a imprensa se preocupe mais com os problemas vividos em quem dirige o futebol neste país, seja dentro dos clubes ou na maior entidade de nome CBF.

Até a próxima!!