segunda-feira, 11 de julho de 2011

O BRASILEIRO NÃO É BOBO - Por Rodrigo Curty

E a bola rolou neste fim de semana em dois importantes torneios para o povo brasileiro - Copa América e Campeonato Brasileiro. Eu sinceramente me preocupo mais com a segunda competição. O motivo é simples. Mesmo sendo fervoroso brasileiro não sou a favor das coisas que considero erradas.

Não é de hoje que a CBF manda na Seleção Brasileira, e consequentemente, o título irá valorizar cada vez mais o chefão Ricardo Teixeira e seus aliados. Penso que os jogadores, assim como o técnico Mano Menezes são corretos com suas obrigações, mas não me iludo em não pensar que RT manda e desmanda na amarelinha - Escala a equipe e exige quem deve ou não sair.

Apesar de pouco tempo à frente da Seleção(10 partidas), Mano está em uma situação complicada. O treinador não consegue fazer o time decolar e mostrar um bom futebol. Peças como André Santos, Neymar, Pato e Ganso decepcionam, mas devem evoluir. Outros já rodados como Lucio e Robinho não convencem os mais críticos.

Resta não cairmos na armadilha de que um triunfo sobre o Equador, e consequentemente a classificação para a próxima fase da Copa América tudo irá mudar. Aposto no título, apesar dos pesares, e este é o problema. Dunga, querendo ou não também venceu este torneio e depois a Copa das Confederações. Possui um cartel na Seleção indiscutível. 68 jogos e apenas sete derrotas, tudo bem que duas delas importantes. Na semifinal olímpica contra a Argentina (3x0) e a crucial contra a Holanda, nas quartas de final da Copa na África. Números são importantes, porém não deveria ser tudo, ou seja, quero ver a Seleção encantando e não apenas com a desculpa de que os times bobos não existem mais. Cabe a Mano Menezes entender com os erros dos antecessores que este negócio de "família" e "gratidão" não pode prevalecer, caso o país usufrua de melhores atletas no momento.

E por falar em momento, no Brasileirão, o Corinthians segue imbatível. Apesar de não empolgar com belas atuações, o time é bem armado, possui peças de reposição e resolve quando precisa. Apesar de ter as características de um time campeão, os pés não podem sair do chão. As adversidades, dificuldades em um torneio de pontos corridos e disputado como é o nacional, uma hora bate a porta, e aí a maturidade e planejamento serão testados. O mesmo serve pra quem vem colado no Timão. Casos de Flamengo, São Paulo, Palmeiras, Internacional, entre outros como Cruzeiro, Palmeiras, Vasco e Santos que uma hora vai engrenar, por exemplo.

Até a próxima!