quarta-feira, 26 de outubro de 2011

FERA FERIDA - Por Rodrigo Curty

E hoje o São Paulo busca um novo rumo para 2011. O ano está quase no fim, mas com ele duas importantes competições. O Brasileirão, onde o tricolor perdeu o passo, mas que ainda aposta em superação, e a Copa Sul-Americana, que não deve ser desprezada, uma vez que o campeão garante vaga na Libertadores do ano que vem.

Reza a lenda que a mudança de comandante muda qualquer equipe. E no São Paulo não deve ser diferente. É bem verdade que o novo treinador já é um velho conhecido de alguns jogadores e de toda torcida são-paulina. Eu falo de Emerson Leão. Querendo ou não, Leão já fez mudanças. E olha que bem ousadas. Ele de cara, afastou o jogador mais pedido pelo torcedor do São Paulo. Tirou Rivaldo, talvez pelo fato do presidente Juju não desejá-lo no ano que vem, ou simplesmente para provar que com ele, o jogador não terá vez.

O comportamento não é inédito. Em 2005, ano que teve uma boa passagem, porém manchada, ao se desligar para atender um pedido de um amigo no Japão, o ex camisa 1 da Seleção Brasileira nem olhava para o "jogador do presidente". Na ocasião, o craque do futsal Falcão. Isso entre outras atitudes que mostrava quem mandava na área. Agora, apesar de mais experiente na função, tudo indica que medalhões, promessas e protegidos não terão vida tranquila. Rivaldo já foi afastado, Casemiro, talvez por sorte, está contundido, mas Lucas, Luis Fabiano, entre outros devem ficar atentos.


Leão ficou quase dois anos na geladeira, mas se seguir seu histórico, deve ter um bom início no comando. Porém, por ser um treinador que não inova, que não busca novas opções de treinamentos, e que desgasta jogadores, faça com que o projeto a longo prazo vá por água abaixo. Assim, tudo indica que o sonho tricolor para 2012, Autuori ou Muricy possa acontecer.

O presente é a partida da Sul-Americana contra o bom time do Libertad-Par, fora. Na ida deu São Paulo. Placar magro 1x0, gol que desencantou Luis Fabiano. Uma derrota será com certeza bastante protestada, mas um triunfo, é certeza que se tem alguém que não ficará ferido, este se chama Leão.

Até a próxima!