quinta-feira, 6 de outubro de 2011

OS DOIS LADOS DA MOEDA - Por Rodrigo Curty

E a partida entre Cruzeiro e São Paulo pela abertura da 28ª do Campeonato Brasileiro foi eletrizante. As duas equipes com objetivos diferentes e com muita vontade de vencer. Se de um lado existia o desespero de não vencer uma partida há oito rodadas, e de quebra ter a pior campanha do segundo turno, do outro havia um time que se encontra na posição que está na tabela, graças as atuações fora de seus domínios.

Antes de entrarmos neste duelo vale o registro da partida no Olímpico. O Grêmio venceu mais uma. Desta vez o Santos por 1x0. Foi a terceira vitória seguida do melhor time do segundo turno, atrás apenas do Fluminense. Olho no tricolor gaúcho que já fala em Libertadores. Ano passado a reação também foi na segunda etapa da competição.

Agora sim, vamos com o duelo de Sete Lagoas. O time da casa entrou com uma formação interessante. Apostava na força de seus volantes e na criação de Roger e Montillo para a dupla de ataque formada por Farias e Keirrison.

O tricolor, por sua vez também foi ousado. O criticado Adilson Batista colocou desde o início um trio de meio-campo formado por Cícero, Carlinhos Paraíba e Rivaldo. Teoricamente o único marcador era Denílson. O ataque tinha Dagoberto e Luis Fabiano. E aí a escalação foi ousada ou burra? Sinceramente vejo como ousada e acertada. Independente do resultado final, o torcedor são-paulino não tem paciência, e quando pega alguém pra Cristo vai até o fim.

Já do outro lado Vágner Mancini sabia da obrigação dos três pontos. Talvez por estas razões colocadas acima, a partida não poderia ter um resultado diferente do empate. Neste caso por 3x3, com direito a virada do São Paulo.

A Raposa abriu o placar com Keirrison, mas cedeu a virada na segunda etapa. Gols de Cícero e Dagoberto. Depois o time mineiro achou o empate com Charles, devido o erro de marcação paulista. Erro este que não era exclusividade tricolor. Após belo lançamento de Dagoberto, o baixinho Juan cabeçou para desempatar. Quando tudo parecia que terminaria assim, nova falha do São Paulo. Cobrança de escanteio, desvio no primeiro pau e Anselmo Ramon livre para empatar. Resultado justo, mas que poderia ter sido diferente, uma vez que ainda perdendo por 1x0, Luis Fabiano desperdiçou uma penalidade máxima inexistente. Coisas do futebol justo.

A conclusão aqui é que o Cruzeiro tem tudo para se manter na Elite se jogar como ontem, e o São Paulo cada vez mais deverá lutar pela Libertadores. Vamos aguardar.