quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

O SUSTO DA ESTREIA - Por Rodrigo Curty

E o Santos deu o primeiro passo para tentar conquistar o seu terceiro título mundial. Apesar de vencer pelo placar de 3x1, a equipe do Kashiwa Reysol, no Toyota Stadium, em Toyota, a estreia foi tensa e preocupante para os torcedores do Peixe.

É importante ressaltar que Neymar e cia se deram bem, pelo fato do campeão japonês não ter um bom goleiro e o talento na frente. Dois golaços, um do craque santista e outro do oportunista Borges resolveram o destino santista. Mas foi a ousadia e maturidade de Danilo que decretou a vitória, após bela cobrança de falta.

Hoje fica a lição para o estudioso Muricy Ramalho, que sabe que toda a estreia é complicada e que o fato de ter que vencer e cumprir o protocolo de melhor equipe é essencial para um salto maior. A questão é que alguns pontos devem ser resolvidos imediatamente. Mas antes da análise, o possível adversário do Peixe.

Eu não acredito em uma zebra, mas é sempre bom lembrar do Mazembe contra o Internacional, no ano passado. De qualquer forma, futebol se ganha no campo, e bola pra isso o time espanhol tem de sobra. Por isso, os comandados de Pepe Guardiola devem resolver a classificação antes do final da primeira etapa. O adversário será o Al-Sadd, do Catar.

Ao se concretizar a classificação, dor de cabeça para o técnico do Santos. Durval não é lateral e levou sufoco e passeio de Sakai, autor do gol do adversário de hoje. Assim, se Léo não tiver condição no domingo, a coisa deve ficar feia, uma vez que por aquele lado do campo estarão Daniel Alves e Lionel Messi. Haja coração.

Se eu fosse o treinador santista pensaria em uma estrategia de matar ou morrer. Entraria sufocando o time espanhol em seu campo e buscaria o gol a qualquer custo. É melhor tentar vencer como homens do que cair como covardes. Fora isso, eu entraria com Ibson no lugar de Elano e com Henrique cobrindo os avanços de Danilo. Puxaria Ganso para trás dos volantes e faria Neymar mudar constantemente de posição no ataque para que Borges ficasse livre.

A questão é que Muricy gosta da bola parada, e deve focar muito nisso. O problema é que o feitiço pode vir contra o feiticeiro. Se hoje as bolas aéreas deram susto, imagine você contra o melhor time do Mundo? Os catalães não desperdiçam chances.

É aguardar pra ver.