segunda-feira, 26 de março de 2012

CLÁSSICO VIRA PANO DE FUNDO - Por Rodrigo Curty

E os tradicionais clássicos do futebol brasileiro mais uma vez foram manchados pela violência ou simplesmente pelo medo dela. Se Vasco e Palmeiras entraram em campo com os nomes dos personagens do torcedor de ambos Chico Anysio nas costas, a tarde não foi de alegria e sim de preocupação.

No sábado, Ponte Preta e Guarani fizeram o confronto dos 100 anos do clássico. O medo que aterrorizou a linda Campinas, principalmente após a morte de um bugrino assustou os torcedores. Menos de 10 mil torcedores foram ao "Majestoso". Havia uma quantidade absurda de policiais, desde o entorno do estádio. Menos mal que fora do Moisés Lucarelli tudo foi tranquilo, mas dentro do campo a violência entre os 22 jogadores poderia ter levado para as arquibancadas, se lotadas uma possível briga de torcidas. No fim o placar de 1x1 acabou sendo justo.

Ontem foi a vez de Cruzeiro e América Mg também se enfrentarem. No fim a Raposa venceu por 2x1. Ótimo futebol dentro de campo e nada de brigas fora. Bom exemplo dos mineiros. Mas a partida mais esperada da rodada era o Dérby Paulista entre Palmeiras e Corinthians.

A partida que terminou 2x1 para o alvinegro poderia ter sido tão brilhante quanto é a história do duelo, mas pra variar a violência foi o grande destaque, e de forma negativa. É lamentável ainda termos que passar por momentos ridículos de torcedores, ou melhor de marginais que usam a Internet para marcar confrontos entre facções. Em pleno século 21 ainda vivenciamos cenas de crueldade daqueles que se julgam apaixonados pelo seus clubes. Isso não é paixão, é doença, é pano de fundo, e ainda prejudicam o time de futebol. Ontem morreu um torcedor palmeirense de apenas 21 anos. Diga-se de passagem, o mesmo era irmão de um líder da torcida do Palmeiras, ou seja, a vingança virá com certeza muito em breve.

Está na hora das autoridades brasileiras tomarem uma postura mais dura. Melhorar urgentemente as questões de educação, o respeito ao próximo, as duras penas aplicadas também para menores infrantores. Está na hora de acabar com o mal pela raiz, caso contrário quem perde a cada dia é o pai, um irmão, um tio que pensa em levar ao estádio um filho, sobrinho, primo, enfim, e que ainda poderá pagar o pato pelos imbecis livres para atuar.

Até a próxima!