segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A CEREJA DO BOLO - Por Rodrigo Curty


E não é que 2012 definitivamente é um ano para jamais ser esquecido pela torcida corinthiana? O "bando de loucos" como é conhecida a nação alvinegra conquistou o mundo pela segunda vez, apesar das controvérsias. Não interessa se para muitos é ou não o Bi-Campeonato, o fato é que a conquista contra o poderoso e milionário Chelsea foi inquestionável.
O jogo foi bastante disputado e bonito de se ver, ou seja, diferente do cenário que os apaixonados pelo bom futebol aguardava, pois tanto um quanto o outro na conquista da Libertadores e Champions League, respectivamente jogavam para não perder.
A partida teve de tudo. Lances bonitos, discussão saudável, simulações, catimbas e um paredão. Este de nome Cássio, que foi o maior desespero do treinador inglês Rafa Benitez, que com certeza em algum momento deve ter lembrado do herói são-paulino Rogério Ceni, na conquista do tricolor sobre o Liverpool.
O futebol a cada dia nos ensina que nem sempre o melhor time ou aquele que busca a vitória é o que leva, e sim aquele de competência, frieza e postura de campeão. O Corinthians teve, por sinal tudo isso de sobra não apenas no triunfo por 1x0. Foi um time que se preparou desde o início do ano para conquistar a América e o Mundo.O time não se concentrou e analisou o adversário apenas no Japão. 
Fora esta preparação e planejamento, o Timão também conta com importantes talentos como Cássio, Danilo, Paulinho, Emerson e o treinador Tite. Mas sozinhos não chegariam tão longe. Todos fizeram e fazem a diferença, provaram que conjunto é a maior força de uma equipe que sonha com vôos maiores. Nada de vaidade, respeito mútuo entre todos, jogar todos por um e pelo mesmo objetivo, isso não poderia trazer outra coisa que não o troféu mais cobiçado do futebol, fora Copa do Mundo.
Tite se valorizou demais com este feito. Demonstrou comando e que tem o grupo na mão. Todos o respeitam, o ajudam para serem ajudado. Talvez pelo fato de entenderem que o torcedor não cobra ídolos e sim guerreiros que honrem o manto, apesar de limitações em algumas posições.
Se na conquista do nacional e libertadores faltava uma referência, este chegou na hora certa. Guerrero, o peruano que entrou para história do clube pelos dois gols mais importantes da história alvinegra. Machucado às véspera da partida de estreia, ele foi decisivo. Atacante que se posiciona bem, tem habilidade, estrela, mas competência para se consagrar. Pode-se afirmar que sozinho Guerrero não faria verão, mas a garra, entrega, coragem de todos em campo, fez dele a cereja do bolo, o nome mais importante, junto com Cássio que parou até pensamento dos Blues. Você concorda?
Agora engana-se quem pensa que o time irá tirar o pé. Quanto mais você conquista, mas você quer. A diretoria pensa em conquistar tudo em 2013. Paulista, campeonatos nacionais e internacionais. Alguém dúvida que a engrenagem falhará? Quem ganha com isso é o futebol, pois rivais de todo país terão que se reforçar e buscar caminhos para não ficar de fora das manchetes das conquistas.
Parabéns ao Corinthians pela conquista e por honrar o futebol brasileiro com classe, raça, futebol jogado e respeito ao torcedor. Bem vindo ao grupo seleto dos times que conquistaram o Mundo.
Até a próxima!