sábado, 19 de janeiro de 2013

A GENEROSA VOLTA A ROLAR - Por Rodrigo Curty

E a bola finalmente vai rolar pelos campeonatos estaduais. Se há tempos para muitos a competição não passa de um preparatório, para outros é o torneio mais romântico e interessante que existe, pelo menos no que diz respeito à rivalidade, uma vez que os confrontos chamados clássicos ocorrem com maior frequência.
As equipes brasileiras, principalmente as que fazem parte da Série A se reforçaram para a temporada. Em São Paulo, os considerados grandes com exceção do Palmeiras, abriram os cofres. O Corinthians, aliás, é a segunda equipe que mais investiu no mundo, perde apenas para o PSG, da França. A ideia com o reforço, entre outros de Pato e Renato Augusto é retomar o campeonato paulista, e claro, brigar pelo bicampeonato da Libertadores, e quem sabe o terceiro caneco no Mundial de clubes.
Já o São Paulo sabe que precisa voltar a encantar o mundo. Após conquistar a Sulamericana em 2012, o tricolor perdeu Lucas, mas repatriou o zagueiro Lúcio e tem um time bem coeso e coletivo. Por fim, o Santos tem time para alcançar o tetra. A dupla Montillo e Neymar prometem alegrias ao torcedor do Peixe.
No Rio de Janeiro, o Fluminense é o favorito a conquista, mas Botafogo, Vasco e Flamengo também podem surpreender. O tricolor manteve a base do time campeão brasileiro e também se reforçou. Destaque para o veterano Felipe que deixou o Vasco. E por falar no Cruzmaltino, a saída de ídolos e a oportunidade para garotos e contratações sem muito peso é a principal aposta. A esperança da torcida é para que Carlos Alberto seja o maestro, será? O Botafogo também perdeu jogadores, mas tem Seedorf e um elenco unido para conquistar a taça e fazer uma ótima temporada. O mesmo serve para o Flamengo que tem na base e na espinha dorsal experiente o provável triunfo para se manter líder nas conquistas estaduais.
No Rio Grande do Sul, o Grêmio definitivamente focará na Libertadores. Quarta-feira a parada será dura contra a LDU, mas Luxemburgo acredita que as contratações de Dida, Cris, Vargas e a manutenção de Zé Roberto, entre outros faça a diferença.
O Internacional aposta em Dunga no comando para que o time não fique como nas últimas temporadas no quase. Pulso ele tem, mas o elenco tem que saber jogar por ele. 
Já em Minas, o Atlético MG que tem foca no torneio internacional tem em R49 o maestro para conduzir as conquistas. O time é bom e competitivo, mas terá pela frente um Cruzeiro motivado com as contratações feitas como a do atacante Dagoberto e a cobrança do seu torcedor que não aguenta mais sofrer para o rival.
No resto do Brasil, os estaduais valem até mais que qualquer torneio. Bahia, Santa Catarina e Pernambuco, por exemplo são provas disso. O que vale é saber se preparar e aguentar a pressão do resto do ano, cada um com seu respectivo objetivo.
Até breve e ótimo estadual para todos.
 
--