segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

A IMPORTÂNCIA DOS CLÁSSICOS - Por Rodrigo Curty


E aos poucos as equipes favoritas começam a engrenar na temporada 2013. Os torneios estaduais estão longe de empolgar a todos. Independente do nível de fanatismo, os torcedores nos dias de hoje avaliam apenas o que se esperar de sua equipe de coração, mas por outro lado, quando a bola rola em um clássico, na mesma hora a cobrança pela vitória vem à tona.
Ontem tivemos no país quatro clássicos estaduais. O curioso é que em três deles houve empate em 1x1. Foi assim no Serra Dourada, no duelo entre Atlético GO e Goiás, em Santa Catarina, entre Avaí e Figueirense, e por fim no Engenhão, entre Fluminense e Botafogo. O único que venceu um clássico neste domingo foi o Paraná Clube que passou pelo magro placar de 1x0 sobre o Atlético PR.
É bem verdade que no sábado, um dos mais tradicionais clássicos do país teve a vitória sem muito esforço de 3x1 da remodelada Ponte Preta sobre o Guarani.
É bem provável que até o início da Copa do Brasil, sequência da Libertadores e o mais equilibrado torneio do mundo, o Brasileirão, clássicos serão a diferença e vibração dos apaixonados. Desta forma, vale fazer uma análise sem muita paixão e de forma mais coerente do que se esperar sem sofrer tanto.
Por exemplo, em São Paulo, com exceção do Palmeiras, Santos, São Paulo e Corinthians devem figurar bem em todas as competições. Os três se aproveitam bem dos reforços, da busca da melhor formação tática, do aprimoramento físico, enfim. Olho neles.
No Rio de Janeiro, o Fluminense será o mais cobrado, seja pela sua torcida, seja pela imprensa, mas aí que mora o perigo, pois Flamengo, Vasco e Botafogo, correm por fora, e isso no futebol é uma grande arma. Pouco holofote diminui a pressão e trás calma para se chegar longe. O trio se reforçou e mudaram peças importantes. Devem incomodar quando chegarem ao considerado time ideal.
Em Curitiba, Alex retornou ao gramado do Couto Pereira. Foi muito bem no empate do Coxa Branca contra o argentino Colón, mas ainda é pouco para a equipe que almeja fazer bem mais do que os feitos no primeiro semestre de 2011 e 2012, onde acabou vice-campeão  da Copa do Brasil.
Em Minas, Atlético MG e Cruzeiro não param de se reforçar. O campeonato mineiro está breve, e a obrigação de ambos é fazer o nome de Minas retornarem de vez ao cenário nacional, e por que não mundial?
No Sul, não há o que mencionar neste instante, a não ser a tristeza que tomou conta do país. Santa Maria entrou de vez para o cenário das grandes tragédias mundiais. Vale neste momento continuar rezando pelas famílias e amigos dos falecidos, e que a impunidade acabe de vez neste país do futebol.
Até a próxima!