segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

A HORA DA AVALIAÇÃO - Por Rodrigo Curty

E a rodada dos regionais contou com clássicos importantes, surpresas desagradáveis e muita coisa para ser pensada principalmente pelos derrotados e administradores de Arenas.
No campeonato paulista o clássico San-São foi eletrizante do começo ao fim. Os ingredientes também foram fundamentais para que isso ocorresse. Neymar é definitivamente mais do que a metade da equipe santista, mas também sabe dividir a responsabilidade com quem precisa mostrar serviço como o goleiro Rafael, fundamental ontem, os volantes Arouca e Renê Jr, e na criação de Montillo e faro de centroavante de Miralles. Todos foram essenciais, mas o craque da camisa 11 prova para aqueles que ainda entendem que ele só joga contra time pequeno e quando não tem marcação. Besteira, afinal o São Paulo é uma das grandes equipes desta temporada. O time é bem armado, possui peças de reposição e acima de tudo joga sem medo de perder. O problema, porém é antigo e nem com Lúcio se resolveu. As bolas paradas. O tricolor levou sete gols em dois jogos, isso é muito para um clube com este calibre que pintam.

No Rio Grande do Sul, mas precisamente em Erechim, o primeiro Gre-Nal foi disputado, mas sem a força que poderia ter. O Grêmio jogou com um time reserva e acabou derrotado pelos comandados de Dunga que ganha cada vez mais moral e paz para trabalhar o renovado elenco Colorado, que tem em Leandro Damião e Forlán suas grandes armas no ano.

E em Belo Horizonte? Pois é, a expectativa era de um Mineirão lotado e cheio de coisas positivas, após 2 anos e meio de reforma para a Copa das Confederações e Copa do Mundo, mas fora a lotação foi tudo por água abaixo, aliás, isso se o clássico entre Cruzeiro e Atlético MG fosse no sábado. Nesta data, a chuva na cidade deixou o gramado alagado. Mas no domingo, por ironia faltou água nos bebedouros, produtos de alimentação, banheiros inadequados sem papel higiênico e água, entre vários outros problemas para entrar na Arena Mineirão. Problemas no trânsito, ingressos duplicados, e por isso, sem parodiar a campanha de uma cerveja, se no regional teve isso, imagina na Copa. No campo pelo menos foi tudo ótimo, principalmente para os torcedores da Raposa que vibraram com a vitória de 2x1, com direito a gol do estreante Dagoberto. 

Agora é avaliar os danos e o que o torcedor brasileiro pode esperar de surpresas nas próximas Arenas a serem entregues. A de Minas a princípio está no caminho de ser resolvido, afinal o governo mineiro já multou a administradora do estadio em R$ 1 milhão. Esse é o futebol e gestão brasileira.
Até a próxima!