sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A DEPENDÊNCIA DA FÉ - Por Rodrigo Curty


E as oitavas- de- final da Copa do Brasil mais uma vez mostrou a força dos mandantes. O Botafogo provou que não vai bem apenas no Brasileirão. O Glorioso recebeu o campeão da América, o Atlético MG e mostrou ser um time bem maduro e com personalidade. Os comandados de Oswaldo de Oliveira mostram união, tranquilidade e uma determinação impressionante a cada rodada.
Já o Internacional sofreu na primeira etapa contra o Salgueiro-PE, mas após a chuva, frio e agitação dos pouquíssimos torcedores Colorados, conseguiu a vitória por 3x0. Dunga agora tem mais calma para de vez colocar a equipe focada no Brasileirão para tentar a tão sonhada arrancada. Vamos aos duelos.
O Maracanã não estava lotado, mas os pouco mais de 16 mil presentes com certeza saíram felizes com a bela exibição. E olha que o time carioca não contou com a estrela maior Seedorf, sinônimo de espetáculo quando atua.
O Galo não se intimidou e começou bem a partida, perdeu chances, mas abriu o marcador após um rápido contra-ataque, passe de Ronaldinho Gaúcho e frieza de Marcos Rocha. Quem imaginou um Fogão reprimido e sentido, viu logo a reação, Vitinho fez o papel do camisa 10. Abriu o caminho para a virada com Lodeiro, que marcou um golaço.
Na segunda etapa jogo lá e cá, mas o time carioca mais calmo e preciso, assim abriu 4x1. Este placar tranquilizaria e muito, mas Guilherme aos 44’ fez o segundo do Galo e deu uma esperança, e alguém dúvida? Sem plagiar, mas sabemos que a fé não costuma falhar, e isso o atleticano provou ter de sobra no torneio continental. A questão é que fora a fé, o momento do adversário é excelente.  No ano, o Bota perdeu apenas quatro partidas e nenhuma com mais de um gol de diferença. Vamos aguardar.
Já o Internacional provou a sua força. O time tem tudo para crescer nas competições. Repleto de jogador experiente, torcida ansiosa por um grande título e investimentos a todo vapor, o pensamento é fazer valer o que a imprensa e muitos adversários entendem e valorizam.
Na partida contra o Salgueiro o que se viu foi um time nervoso na primeira etapa e perdendo chances atrás de chances, mas na segunda etapa a chuva fria que caiu lavou a alma e tirou o azar. Pior para os pernambucanos que imaginavam levar um bom resultado para o jogo de volta. No final o 3x0 dificilmente será revertido, apesar de o futebol pregar peças quando ninguém imagina.
Até a próxima!