sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

A LIBERTADORES DOS BRASILEIROS - Por Rodrigo Curty

A bola em breve vai rolar pela Copa Libertadores da América. Torneio esse que mexe e é considerado o principal dos clubes brasileiros.
É bem verdade que a competição mudou bastante desde suas origens. De um torneio que tinha características de guerra, que era jogado de forma "bruta" e a catimba como um dos principais elementos, passou até em virtude da quantidade de câmeras, a ser mais contido, apesar de em muitos casos manter a essência de seus primórdios. Mas que fique claro que não se pode tirar os méritos de quem conquista hoje o que não tiveram no passado, afinal uma coisa ninguém mudará do torneio, o de que para se chegar ao topo é necessário saber jogar a competição, ou seja, nem sempre o melhor vencerá, e sim aquele que joga feio quando se deve jogar e dá show quando se tem oportunidade.
O início da Libertadores teve a supremacia de uruguaios e argentinos, porém principalmente de 2000 para cá, o que se viu foi o Brasil forte e presente em decisões. Para você ter uma ideia, nas últimas 13 finais, o país ficou ausente apenas em 2001 e 2004, nas outras teve finalistas e campeões. Palmeiras, São Caetano, Cruzeiro, Atlético PR, Grêmio e Fluminense bateram na trave, mas São Paulo, Internacional, Santos, Corinthians e Atlético MG fizeram a festa de seus torcedores.
Essa é a prova maior da ambição e o desejo pela América ser nítida. Agora o foco de Atlético MG, atual campeão, Cruzeiro, Flamengo, Grêmio, e possivelmente Atlético PR e Botafogo é o de representarem bem o Brasil é diminuir ainda mais a vantagem das equipes argentinas, que somadas já levaram para o seu país 22 troféus. O Brasil soma 17. 
Ontem em Luque, no Paraguai nós conhecemos os jogos da repescagem e também como ficarão os grupos. Vamos a eles e o que considero que podemos esperar.
Na Pré-Libertadores, destaque para os brasileiros. O Atlético PR terá pela frente o Sporting Cristal(Per), esse finalista em 1997 quando foi vice do Cruzeiro. Apesar de ser um time tradicional em seu país, a logística não será tão complicada para o Furacão. Decide em seus domínios. Passa sem muita dificuldade.
No caso do Botafogo o problema é um pouco maior. O Glorioso encara o Deportivo Quito, do Equador e uma altitude de 2850m. Decide a vaga no Maracanã, mas se não se preparar bem para o duelo de ida e segurar no máximo uma derrota por um gol pode se complicar. O time carioca é melhor e mais experiente, porém deve manter controlada a ansiedade para estar na quarta Libertadores de sua história.  
Agora os grupos:
Grupo 1: Vélez-ARG, Bolívia 2 (The Strongest ou San José-BOL), Peru 1 (Garcilaso ou Universitario) e Vencedor do Jogo 1 (Sporting Cristal-PER ou Atlético-PR): Grupo equilibrado com ligeira vantagem para o Vélez e Atlético, caso avance.
Grupo 2: Unión Española-CHI, Argentina 3 (San Lorenzo ou Lanús), Independiente José Terán-EQU, Vencedor do Jogo 2 (Botafogo ou Deportivo Quito-EQU). Grupo bem equilibrado. Aqui devem sair os dois primeiros, apenas na última rodada.
Grupo 3: Cerro Porteño, O'Higgins-CHI, Deportivo Cali-COL, Vencedor do Jogo 4 (Caracas x Lanús-ARG ou River Plate-ARG). Considero Deportivo Cali e um dos argentinos como favoritos.
Grupo 4: Atlético-MG, Nacional-PAR, Zamora-VEN e Vencedor do Jogo 5 (Monarcas Morelia-MEX x Independiente Santa Fé-COL).  Nem sempre o que parece fácil é o melhor.Atlético MG avança sem dificuldade se souber usar o fator casa como no ano passado. Olho também nos colombianos ou mexicanos que devem brigar com o Galo pela primeira posição.
Grupo 5: Cruzeiro, Defensor-URU, Peru2 (Garcilaso ou Universitario) e Vencedor do Jogo 3 (Chile 3 x Guaraní-PAR). Mesmo caso do Atlético MG. A Raposa deve se sobressair e conseguir a vaga às oitavas com antecipação.
Grupo 6: Newell's, Grêmio, Atlético Nacional-COL, Vencedor do Jogo 6 (Nacional-URU x Oriente Petrolero-BOL). Aqui o grupo da morte. Por outro lado, o copeiro Grêmio pode se fortalecer, em caso de avançar a fase seguinte, pois estará mais calejado.Grupo muito difícil e sem favoritos. Tradição pode fazer a diferença na hora H.
Grupo 7: Bolívar-BOL, Flamengo, Emelec-EQU e León-MEX. Mais uma vez a altitude, distância e cansaço no caminho do Flamengo. Recente lembrança do time equatoriano complica, assim como La Paz e o possível campeão mexicano. Acredito que o time brasileiro avance, desde que vença seus três jogos em casa. Maracanã e torcida serão fundamentais para o time que precisa se reforçar para aguentar a pressão.
Grupo 8: Peñarol-URU, Arsenal-ARG, Anzoátegui-VEN e Santos Laguna-MEX . Apesar de não ter aquela potência das décadas de 60 e 80, os uruguaios devem ser respeitados. Deve avançar e deixar a outra vaga para argentinos ou mexicanos.
Até a próxima!