quinta-feira, 3 de abril de 2014

VENCER, VENCER, VENCER - Por Rodrigo Curty

A situação das equipes brasileiras na Copa Libertadores deste ano está mais complicada do que o esperado. Antes do torneio iniciar, os seis representantes eram considerados os favoritos, inclusive com a possibilidade de termos pela primeira vez nas semifinais quatro equipes do mesmo país.
O problema é que esqueceram de combinar com os outros países, que apesar de terem equipes bem mais limitadas tecnicamente, muitas das vezes sabem jogar melhor a competição.
Hoje a situação de Atlético PR, Cruzeiro, Botafogo são as mais complicadas. Já Grêmio, Atlético MG e agora o Flamengo tendem a passar a próxima fase.
O melhor representante brasileiro até o momento é o tricolor gaúcho, afinal se em seu grupo, o de número 6 todos apostavam como sendo o da "morte", vê um copeiro dominando as ações e com sede de quero mais. Hoje com 11 pontos, graças a brilhante vitória sobre o Nacional de Medellín por 2x0, as chances de terminar a primeira fase como o melhor é bem real, por isso é bom respeitar os gaúchos que podem surpreender ainda mais.
O rubro-negro, presente no grupo 7 e dado para muitos como morto, respira. A vitória de 2x1 sobre o Emelec foi maiúscula pelas circunstâncias. Desfalcado e ansioso para trazer ao Rio de Janeiro pelo menos um empate, agora resta ao Flamengo vencer no Maracanã o time do León para ficar na pior das hipóteses na segunda colocação e daí para frente em mata-mata fica difícil arriscar palpites, mesmo porque se jogar como jogou ontem com raça, determinação e coragem as coisas podem dar mais certo do que se esperam.Quem diria? 
De qualquer maneira é bom que se diga que o time é fraco tecnicamente não apenas pelo elenco, mas por ainda não ter das mãos ou da cabeça de Jayme de Almeida o que se considera ideal, mas é Flamengo e quando esse joga com a obrigação de vencer, vencer ou vencer pode ter o que for pela frente que o time cresce e cala as todas as críticas. Vamos aguardar.
Hoje a torcida é pela Celeste. O atual campeão brasileiro está em situação delicada no grupo 5. Precisa vencer o Universidad de Chile para na última rodada, em casa consolidar a sofrida classificação contra o Real Garcilaso. Se jogar o que sabe, classifica.Já o seu rival e atual campeão da competição busca um empate contra o Santa Fé(Col) para garantir passagem às oitavas. Jogo duro, mas deve conseguir o necessário.
E é sempre bom lembrar que Libertadores normalmente vence quem se planeja e sabe como jogar e não quem tem grandes esquadrões e expectativas de todos. 
Até a próxima!