sexta-feira, 4 de julho de 2014

DRAMA BRASILEIRO - Por Rodrigo Curty

E foi definida a primeira semifinal da Copa do Mundo da Fifa 2014. Alemanha e Brasil medirão forças por uma vaga nas finais. Em jogos distintos, ambas as seleções provaram que mereciam estar na próxima fase.
A promessa é de uma partida disputada em detalhes. Vamos aos jogos.
No Maracanã debaixo de muito sol, a Alemanha encarou a França, e o que parecia ser uma partida com cara de final, acabou frustrando pela falta de velocidade, garra, vontade de vencer, principalmente dos franceses, que se jogaram para o tudo ou nada, apenas nos minutos finais e foram parados pelo excelente goleiro Manoel Neuer. A França volta para casa com um dever cumprido, pois é uma seleção para daqui há quatro anos, onde tenho certeza dará muito trabalho.
Já a Alemanha fez o seu jogo de detalhes. O gol da vitória saiu antes aos 12' com Hummels. Após isso, o time passou a fazer o que faz de melhor. Toca a bola, espera por uma jogada, não se afoba e se alterna taticamente. Os alemães sentiram muito problema com as altas temperaturas nessa Copa, o cansaço das viagens, mas nem por isso deixaram de render e mostrar que estão sim, muito focados e preparados para chegar ao título. Olho neles que chegam a sua quarta semifinal seguida.
E o Brasil? Pois é! A Seleção Brasileira jogou com a garra que a torcida esperava. Equipe nitidamente mais equilibrada, focada e sabendo de suas limitações e virtudes, encarou a surpreendente Colômbia para vencer por 2x1, com uma atuação quase que perfeita de seus zagueiros.
O Castelão ficou em festa. Os presentes no estádio empurraram, e mesmo longe ainda do esperado, pelo menos para mim, que entendo que a criatividade contra os adversários poderiam ser usadas de incentivo para seleção.
Enfim, o primeiro tempo a Colômbia não viu a cor da bola. O Brasil jogou com pressão no campo de ataque, buscou alternativas pelos lados e chegou ao gol, graças a bola parada de escanteio e o oportunismo do capitão Thiago Silva, que talvez mais do que qualquer outro jogador, merecia marcar. A partir daí o que se viu foi a falta de pontaria e Ospina, arqueiro colombiano seguro no que chegava em sua direção.
Na segunda etapa o que deveria ser tranquilo virou drama. Inexplicavelmente, a seleção foi dominada pela então sensação da copa. James Rodríguez apareceu. Puxou contra-ataque, deu passes, assustou nos cruzamentos, mas fez a falta que resultou no golaço de David Luiz, no melhor estilo camisa 10 do Brasil. Era o que o precisava, afinal, pouco antes houve um gol do capitão Yepes, anulado pela arbitragem. 
Para quem esperava que daí em diante seria apenas tocar a bola, viu o que nos faz mais falta. A experiência e a alternativa técnica. Thiago Silva em jogada infantil no ataque recebeu o segundo cartão amarelo e desfalcará o time contra a Alemanha. É nítido como a seleção se afoba, se assusta e não consegue controlar os nervos. Para piorar, Julio César fez pênalti em Bacca e por sorte não foi expulso. Na cobrança não conseguiu defender a bola do craque da camisa 10, artilheiro da copa com seis gols. Por pouco a seleção não levou o empate, porém ganhou uma importante preocupação. Mesmo mal nas duas últimas partidas, o craque do time Neymar, levou uma joelhada na lombar de forma covarde de Zuniga. Vamos aguardar os exames médicos e torcer para que não tenha sido nada grave.
Faça a sua aposta para terça-feira, em Belo Horizonte, e é bom que se diga que em mata-mata nem sempre vence o melhor ou os que todos esperam, afinal, esse é o sistema que  permite que os mais fracos vençam os mais fortes.
Até a próxima!