domingo, 13 de julho de 2014

UM VERDADEIRO CAMPEÃO - Por Rodrigo Curty

E lá se foi mais uma Copa do Mundo da Fifa. A Copa no Brasil que foi tida antes do início como a provável pior da história, calou muitas críticas, a minha inclusive. Mas que fique claro que muitos fatores colaboraram para isso, entre elas a bola. Sim, as Copas anteriores que tiveram péssimo índice de bolas na rede, desta vez voltaram a encantar a torcida. A média foi semelhante a da Copa de 98, na França, ambas com 171 gols marcados.
De lá pra cá, as mudanças tecnológicas para que complicasse a vida dos goleiros acabou sendo um tiro no pé, afinal também prejudicaram os jogadores do meio e ataque já que estes não conseguiram assimilar o novo peso, as possibilidades de efeito no chute. Ajustes feitos em 2014 e a Brazuca fez a festa nas arquibancadas, principalmente na Arena Salvador, mas o papo aqui é final da Copa.
Alemanha e Argentina entraram em campo para disputar a grande decisão, no belo Maracanã, dividido nas arquibancadas. Se a Alemanha conquistou o torcedor brasileiro pelo carisma apresentado, principalmente no nordeste e apesar na histórica goleada de 7x1 na semifinal, os argentinos contavam com sua apaixonada torcida em todos os cantos do país. É bem verdade que os hermanos também tiveram apoio de muitos brasileiros. 
As duas seleções entraram em campo para um tira-teima. Cada uma havia vencido um confronto em finais. Argentina em 86, na Copa de Maradona e a Alemanha em 90, com Lothar Matheus e cia. Era técnica contra garra, conjunto contra um maestro e quem se deu bem foram os presentes.
A Argentina teve mais oportunidades claras do que a Alemanha que parava em Romero. Perdeu chances que jamais se pode em uma Copa do Mundo, ainda mais em uma final. Higuaín, Messi e Palácio poderiam fazer a festa, mas sucumbiram. Já os germânicos mostraram que o trabalho a longo prazo é importante. Desde 2002 batiam na trave. Foram um vice e dois terceiros lugares.Um trabalho árduo, planejado e de saúde financeira para os clubes e Seleção. Uma base de talentos. Nomes importantes nessa trajetória devem ser reverenciados. O melhor goleiro da Copa, Manuel Neuer, Philipp Lahm, Schweinsteiger, Hummels, Boateng, Götze, Podolsky, Kroos, Muller e o experiente Klose, entre outros.
A partida poderia ter sido 2x2, 3x3, mas a bola insistiu em não entrar e para alegria dos que torciam para o espetáculo não terminar no país, viram uma prorrogação eletrizante de duas equipes que tiraram forças do além, que não se entregaram e queriam conquistar a taça longe da marca da cal.
Foi aí que a supremacia de ter um time homogêneo e forte em todos os setores fez a diferença contra o maior 10 do mundo, Lionel Messi. Mario Götze saiu do banco para fazer história, após bela jogada de Schürrle aos oito minutos do segundo tempo da prorrogação. Conseguiu desviar de Romero e enlouquecer os alemães e apaixonados pelo futebol de planejamento e eficiente.

Parabéns a Alemanha que conquistou seu quarto título mundial com uma campanha irretocável e de  quebra marca sua história também como a primeira seleção europeia campeã nas Américas.
Campanha e elenco alemão.
Fase de grupos – Grupo G
Alemanha 4 x 0 PORTUGAL – Arena Fonte Nova – Salvador – 16 Junho 2014
Gols: Müller (3) e Hummels
Alemanha 2 x 2 Gana – Estádio Castelão – Fortaleza – 21 Junho 2014
Gols: Götze e Klose
EUA 0 x 1 Alemanha – Arena Pernambuco – Recife – 26 Junho 2014
Gol: Müller
Oitavas de final
Alemanha 2 x 1 Argélia – Estádio Beira-Rio – Porto Alegre – 30 Junho 2014
Gols: Schürrle e Özil – Alemanha vence na prorrogação
Quartas de final
França 0 x 1 Alemanha – Estádio do Maracanã – Rio de Janeiro – 04 Julho 2014
Gols: Hummels
Semifinais
Brasil 1 x 7 Alemanha – Estádio Mineirão – Belo Horizonte – 08 Julho 2014
Gols: Müller, Klose, Kroos (2), Khedira, Schürrle (2)
Final
Alemanha 1 x 0 Argentina – Estádio do Maracanã – Rio de Janeiro – 13 Julho de 2014
Gol: Götze – Alemanha vence na prorrogação
Elenco Campeão:
Goleiros: Manuel Neuer, Ron-Robert Zieler, Roman Weidenfeller
Defensores: Jérôme Boateng, Erik Durm, Kevin Großkreutz, Benedikt Höwedes, Mats Hummels, Philipp Lahm Capitão, Per Mertesacker
Médios: Julian Draxler, Matthias Ginter, Mario Götze, Sami Khedira, Toni Kroos, Thomas Müller, Mesut Özil, Marco Reus, Bastian Schweinsteiger, Christoph Kramer
Atacantes: André Schürrle, Lukas Podolski, Miroslav Klose
Técnico: Joachim Löw
Até a próxima!