terça-feira, 26 de agosto de 2014

100 ANOS DE PALESTRA - Por Rodrigo Curty



E neste dia 26 de agosto de 2014, mais um importante clube do futebol brasileiro completa 100 anos de vida. Eu falo da agremiação que passou de Palestra Itália à Sociedade Esportiva Palmeiras.
O time de tantas glórias, tradições, alegrias e sofrimentos merece o respeito dos apaixonados pelo esporte Bretão. Hoje, assim como tantos outros que ultrapassaram a marca, o Verdão sofre com o momento atual. 
São raras as equipes que puderam vibrar nessa fase. Com todo respeito, não vou nem entrar no mérito daquelas que levantaram apenas o torneio Estadual. Se pesquisarmos a fundo, veremos que o Vasco da Gama foi o que melhor viveu os 100 anos, afinal conquistou a Copa Libertadores de 1998.
A data é importante, porém penso que não deve ser levada com tanta cobrança. É claro que ser lembrado numa marca histórica de forma negativa não é bom para nenhum torcedor.
Dizem que quem vive de passado é museu, é verdade, mas no caso de futebol e, principalmente pelo fato de vermos os palestrinos, palmeirenses e parmeristas agoniados e receosos com o time atual, vale registros importantes nesses cem anos.
O Verdão queira ou não tem momentos gloriosos. É o maior vencedor de campeonatos brasileiros, com oito conquistas, conta com centenas de ídolos e nomes que ajudaram e ajudam a escrever a história do futebol mundial e brasileiro. A S.E.P já representou o Brasil e teve jogadores em todos os cinco títulos mundiais.
O clube sempre foi um celeiro de craques e não é exclusividade o que passa no presente. Seja por questões administrativas ou excesso de empresários, o clube se deixou diminuir. A hora de se levantar é agora, pois nessa importante data, os que defendem a agremiação deveriam se espelhar em craques que o Palmeiras já teve em todas as suas posições. Goleiros como Oberdan Cattani, Leão, Velloso e Marcos. Laterais históricos como Serafini, Djalma Santos, Roberto Carlos, Junior e Cafú, zagueiros como Waldemar Fiúme, Luis Pereira, Antônio Carlos, volantes e meias como Dudu, Leivinha, Ademir da Guia, Jorge Mendonça, Alex, Rivaldo, Djalminha, atacantes como Heitor, César Maluco, Ronaldo, Luizão, Evair, Edmundo, e tantos outros que daria mais de uma página para descrever.
Hoje o torcedor desse importante clube deve se orgulhar de tudo que passou.  Da sensacional Academia ao histórico time da quebra do jejum de quase 18 anos. O do ataque de mais de 100 gols em 1996 e o considerado por muitos torcedores como o melhor time e mais envolvente de todos os tempos, em 1999. 
Os momentos tristes também não podem ser esquecidos, afinal mesmo nas derrotas o clube conta com seus seguidores e apaixonados imigrantes italianos do início do século XX e outros milhões de brasileiros do novo milênio.
A história e a comemoração do centenário poderiam ser diferentes hoje, mas ainda há tempo de se reerguer e resgatar a alegria que a nação alviverde merece. Faltam muitas rodadas para terminar o Brasileirão e também tem a Copa do Brasil para dar a volta por cima, porém é importante que se diga, que nem mesmo um título ou permanência na elite será suficiente para alcançar a dimensão desta agremiação. 
Nunca é tarde para fazer o trabalho correto, de se ajustar internamente, acabar com brigas de situação e oposição e, de uma vez por todas saber que o Palmeiras é maior do que todos que o acompanham e acreditam serem mais importantes.
A expectativa de voltar ao lugar que jamais deveria ter saído poderia ser menos complicado se houvesse a possibilidade de jogar em seus domínios, afinal, você pode acreditar, a tendência é que jogar na Arena Palmeiras será complicado para qualquer adversário. 
Parabéns Sociedade Esportiva Palmeiras.
Até a próxima!