segunda-feira, 8 de setembro de 2014

CAÇA À RAPOSA - Por Rodrigo Curty

E finalmente chegamos ao final do primeiro turno do Brasileirão, série A. Aparentemente nada de novo, perto do que vimos antes e pós Copa do Mundo. Na verdade na frente, o Cruzeiro segue sem muito problema. Em relação as equipes que disputam o G4, pouca coisa mudou. São Paulo, Internacional, Corinthians, Fluminense e Grêmio se alternando. 
Já parte do meio, aí sim teve novidades. Se anteriormente Sport, Atlético PR, Goiás e até a Chapecoense se mantinham entre os 10 primeiros, aos poucos a realidade se mostra diferente. Atlético MG, Santos e Flamengo, por exemplo parecem ter engrenado ou melhor se tornaram mais regulares e, assim o segundo turno tem tudo para ser menos conturbado.
No Z4, o papo é outro. As alternâncias dos clubes indica que provavelmente um dos times da dupla Ba-Vi será rebaixada. Na linda Santa Catarina pode-se dizer o mesmo, apesar que o Figueirense já provou fazer o impossível nesse primeiro turno. Criciúma e Chapecoense devem brigar entre si para ver quem se salva. Coritiba e Palmeiras, apesar de assustarem podem se salvar, desde que no mínimo fazendo a lição de casa que é o de vencer em seus domínios. O mesmo serve para o Botafogo. 
O fato é, muita água vai correr por debaixo da ponte, menos ao meu ver no que diz respeito ao campeão, afinal na era dos pontos corridos, o Cruzeiro já alcançou a maior vantagem de um líder na primeira fase do torneio. Hoje são sete pontos para o São Paulo, equipe essa aliás que em 2008 conseguiu tirar uma vantagem de oito pontos para Grêmio, feito repetido em 2009 pelo Flamengo tirando a vantagem do Internacional.
É aguardar para ver se os números também jogarão a favor da Raposa. Até hoje, em 11 campeonatos nesse formato, oito que terminaram na frente no 1º turno, levantaram a taça.
Dificilmente os mineiros relaxarão, mesmo porque contam com um elenco homogêneo e acostumado com a competição. Possui jogadores rodados e com pagamento em dia, mas é bom não se acomodar, pois o tricolor do Morumbi, apesar de ter ao meu ver uma deficiência séria defensivamente, conta com um meio-ataque de respeito e quando focam, dificilmente vacilam.
Até a próxima!