quinta-feira, 6 de novembro de 2014

UMA JUSTA FINAL MINEIRA - Por Rodrigo Curty


A reta final do Brasileirão está aí. A Copa do Brasil conheceu ontem seus dois finalistas. Para muitos o improvável aconteceu, mas para outros, na verdade se fez justiça, afinal teremos uma final das duas equipes que melhor jogam hoje no Brasil.
Dizem que o raio não cai no mesmo lugar duas vezes. Normalmente os feitos históricos são vistos apenas no cinema. Mas o que dizer do Atlético MG? O time mineiro, por mais que possa parecer está longe de escrever capítulos de ficção, afinal, de fato, a realidade é que o Galo há algum tempo transformou o futebol brasileiro. 
Se o título da Libertadores de 2013 veio por vários elementos, entre eles a parceria forte entre clube e torcida, se os milagres de cada partida aparentemente tinham hora para terminar, se a sorte uma hora acabaria, sinceramente é melhor simplesmente acreditarmos que a mística de vencer jogos que parecem impossíveis é a principal marca desse clube.
Na Copa do Brasil desse ano, isso está cada vez mais provado. O Atlético MG que nas quartas de final já havia vencido o Corinthians por 4x1, após ter perdido a primeira partida por 2x0 e ter levado um gol antes de marcar no Mineirão, teve que fazer o mesmo contra o Flamengo. E não é que fez? Com uma postura avassaladora desde o primeiro minuto e jogando contra um time que mesmo desfalcado foi irreconhecível, medroso e não tinha o mesmo tesão, vibração, garra e vontade de vencer como em outros tempos. Assim, era impossível o Galo não garantir a passagem inédita às finais.
Levir Culpi faz um belo trabalho, mas Cuca também fez. Se anteriormente eu disse que o Atlético transformou o futebol nacional, digo pela postura. O time não tem medo de perder, se entrega até o último segundo, apresenta alternâncias táticas, faz de sua jogada pelo alto uma grande arma, porém não deixa de tentar também pelo chão. Fora isso tem a paciência e não se afoba para dar o bote final.
Isso não deveria ser considerado excepcional, mas na atual conjuntura que temos desde os anos 90 com a chegada do tal futebol força, volantes sendo mais importantes que os pontas, meias e goleadores, o mínimo que temos que fazer é aplaudir e torcer para que outros clubes se inspirem e resgatem de vez o verdadeiro futebol brasileiro, repleto de gols, jogos emocionantes e vitória do time que mereceu e não apenas do que foi mais competente.
Como se não bastasse, no Brasil, Minas de fato domina o cenário no futebol. Em 2011, ambos quase caíram para série B. Deram a volta por cima e não param de encantar seus torcedores.  O Cruzeiro que tem tudo para levantar o Bi do Brasileirão é o outro finalista da Copa do Brasil.
A Raposa passou pelo Santos, mesmo estando atrás no placar. Perdia por 3x1 e provou que tem um grande elenco, capaz de chegar aos objetivos, quando bem entender. Empatou em 3x3 e agora busca ser o maior vencedor da competição.  Para isso vai precisar controlar o emocional.
Faça a sua aposta, eu que não fico em cima do muro, aposto no Galo, mas se esse perder para o maior rival, mesmo com as duas vitórias de 4x1, o torcedor não irá perdoar. Será?
Até a próxima!