sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

A FORÇA DO BARÇA - Por Rodrigo Curty


Os principais tabloides mundiais não param de noticiar a tal “crise” que vive o Barcelona, principalmente por causa da relação da maior estrela da equipe Lionel Messi com o ex-ídolo e agora treinador Luis Enrique.
Com todo respeito pelo futebol espanhol, mas dificilmente, apesar da bela campanha do Valencia na temporada e da regularidade do Atlético de Madrid, dificilmente Real Madrid ou Barcelona não levantarão a taça no final do torneio.
O time catalão é o segundo colocado com 38 pontos, ou seja, um ponto a menos que os líderes Merengues, que por sua vez jogaram uma partida a menos. Ok, a diferença pode chegar a quatro pontos, mas apesar da queda nas últimas temporadas é bom que se respeite essa agremiação. Falta todo um segundo turno pela frente.
Messi é o craque do time, joga o fino da bola e de quebra faz com que as outras pérolas como Luis Suárez e o brasileiro Neymar despontem cada vez mais no torneio. Na temporada foram 24 jogos e 24 gols. Muitas das vezes, a imprensa pensa em tirar a paz ou atrapalhar o trabalho dos treinadores. A relação obviamente é bem complicada de ambos, mas isso não é nenhuma novidade.
As vaidades sempre ocorrerão nas equipes por mais poderosas e vencedoras que sejam, a questão é como cada um faz para trabalhar as adversidades e fechar as arestas. Se Messi e Luis Enrique entenderem que o Barça é maior que tudo isso e que todos do atual elenco passarão e o clube ficará, por que não acreditarmos que o time que encantou por anos o mundo do futebol não retome o caminho das glórias?
Material humano tem de sobra. Vamos falar de Neymar. O craque brasileiro está cada vez mais a vontade. Na partida de ida pelas oitavas de final da Copa do Rei contra o Elche ele foi o grande nome da goleada por 5 a 0. Marcou duas vezes e de quebra ultrapassou sua marca da temporada passada. Neymar já marcou 16 vezes em 20 partidas. Na temporada anterior, debaixo de críticas e desconfianças, o camisa 11 fez apenas 15 em 41 partidas. Então se o brasileiro seguir dessa forma e com o uruguaio e o argentino ao lado também marcando a todo jogo não há crise que atrapalhe os planos.
Vamos aguardar. Até a próxima!