domingo, 19 de abril de 2015

PROMESSA DE GRANDES DECISÕES - Por Rodrigo Curty


E a rodada pelos estaduais foi para muitos uma surpresa. Não que as equipes que tenham vencido e consequentemente passado às finais não tenham merecido ou contam com certas competências, mas infelizmente tem coisas no futebol que insistem em permanecer, entre elas as federações influenciando quem tem ou não que passar adiante.
Começo com Belo Horizonte. O Cruzeiro definitivamente não consegue quebrar o tabu contra o Atlético MG. A Raposa jogou bem e perdeu oportunidades imperdoáveis. A arbitragem influenciou, mas o Galo também fez por onde. Lucas Pratto provou que foi uma contratação assertiva. Responsável por dois gols da virada por 2x1 e vantagem aumentada. Agora são 11 jogos sem perder para o maior rival. O adversário da final será a surpreendente Caldense que bateu o Tombense por 2x0. Zebra à vista? Vamos aguardar.
No Rio Grande do Sul nenhuma surpresa. A final mais uma vez será decidida no Gre-Nal. O tricolor passou pelo Juventude por 2x1 e o Colorado atropelou o Brasil de Pelotas por 3x1. Vejo o Inter mais equilibrado, mas em finais só há favoritismo até a bola rolar.
Uma prova clara disso é o Campeonato Carioca. A final será disputada entre Botafogo e Vasco. Se o Fluminense foi prejudicado no sábado pela arbitragem, ontem foi a vez do Flamengo sentir esse gosto amargo. É bem verdade que se tivesse que ter um vencedor esse teria que ser o Cruzmaltino, porém não precisava ser da forma que foi e que mancha como manchou a conquista do rubro-negro no ano passado. É o famoso ditado “tudo que vai volta”. Desde o início da competição alertei para essa possível decisão. Longe de desmerecer as duas agremiações, mas pense friamente se a final fosse um FlaxFlu? A Federação carioca, que hoje sem dúvida é a mais feliz com a final carioca iria abaixo em credibilidade. Ficou claro o esforço para prejudicar a dupla que mais venceu no Rio de Janeiro. Ontem a arbitragem estava bem, mas a não marcação de um pênalti em Pará e outro inexistente em Serginho decretou a passagem do Vasco à final. Isso sem falar que Gilberto que já tinha cartão amarelo foi comemorar com a torcida e passou desapercebido. Se a regra existe, deve ser cumprida. Para os desavisados eu lembro que Eurico Miranda voltou e a questão de amigos, amigos, negócios à parte não existe com a Federação presidida pelo Dr. Rubens Lopes da Costa Filho. Olho vivo Botafogo, afinal tudo leva a crer que o Vasco finalmente voltará a levantar um título que não vem desde 2003. Faça a sua aposta.
Já em São Paulo a emoção tomou conta do duelo entre Corinthians e Palmeiras, em Itaquera. O Palmeiras jogou a vida para chegar a final. O Corinthians que foca na Libertadores, mesmo com um time reserva já é uma equipe formada, equilibrada e com alternativas táticas. A questão é que nessas horas, muitas das vezes a vontade de vencer e a necessidade de provar que pode ir longe nos torneios e de que é um time com brio fazem toda a diferença. O Verdão saiu na frente com Victor Ramos, mas permitiu a virada alvinegra com belos gols de Danilo e Mendoza. A pressão atrás do empate deu resultado. Um belo gol de cabeça de Rafael Marques. Daí para frente era lá e cá e Fernando Prass demonstrando que poderia ser a maior estrela no apagar das luzes. Com defesas fantásticas e criticado no segundo gol, mesmo que eu não concorde, o camisa 1 fez o torcedor voltar ao tempo quando tinha em Marcos a certeza de que nas penalidades tudo daria certo. Eu não considero essa disputa como sendo loteria e sim competência, e isso o Palmeiras teve, mesmo começando pressionado com a cobrança de Robinho para fora. O goleiro alviverde pegou as cobranças de Elias e Petros. A classificação parecia um título mundial. Foram longos sete anos para chegar a decisão e que dificilmente os comandados deixarão escapar contra o Santos.
Sim, o time da Vila Belmiro, assim como Palmeiras começou o torneio desacreditado. Repleto de garotos e contando com as experiências de David Braz, Renato, Elano, Robinho, Renato e Ricardo Oliveira, os comandados de Marcelo Oliveira dominaram o São Paulo. O Peixe foi sempre melhor. Venceu por 2x1 e poderia ter feito mais. O tricolor definitivamente precisa se ajustar principalmente na defesa. Eu alertei para o torcedor não se iludir com as vitórias sobre a Portuguesa, Red Bull e Danubio, porém o jogo que vale para o time de Milton Cruz é o de quarta-feira contra o Corinthians na Libertadores, mas jogando assim dará adeus à competição. Parabéns ao time da Vila que chega a sua sétima final seguida e que renderam três conquistas. Será que vem a quarta? O primeiro jogo da decisão ocorre no dia 26/04 na Arena Palmeiras. Promessa de dois belos jogos.
Até a próxima!