terça-feira, 26 de maio de 2015

UMA DEMISSÃO ESPERADA - Por Rodrigo Curty


E a noite de 2ªfeira apenas confirmou o que estava nítido. O Flamengo resolveu não manter Vanderlei Luxemburgo à frente da equipe na temporada. O projeto que já durava 10 meses, de fato ficou a desejar, mas que fique claro que não apenas por culpa do treinador.
O time é limitado e mal organizado. A zaga não inspira confiança e é muito regular. A quantidade de volantes assusta e não dá o padrão por ter uma formação a cada jogo. O meio e o ataque também são recheados, porém sem eficiência. Faltou a conversa, o melhor aproveitamento no período em Atibaia, enfim, não há santo que dê jeito se não tiver a compreensão e comprometimento de todos.
Entendo que essa foi uma das razões para o desfecho, assim como Luxa ter voltado a ser o Luxa dos últimos tempos e não o do passado de glórias. A “chapa” começou a esquentar, desde o momento em que o São Paulo desejou levá-lo para o Morumbi. Foram declarações de sonho em dirigir o tricolor e o Internacional, enfim, o momento de se valorizar deve ser aproveitado, mas com cautela. É sabido que Luxemburgo não deixa de falar o que pensa e em alguns casos recentes, cansou de afirmar que precisaria de reforços para manter o projeto de voos maiores de forma realista. Isso com certeza atingiu o grupo que decidiu então “fritar” o professor. Basta aguardar as próximas partidas, seja com Jayme efetivado ou com o novo treinador que deve chegar em breve para comprovarmos a tese.
Independente de ter ou não conspirações, a questão é que em nenhum momento o rubro-negro empolgou ou passou a confiança que a torcida tanto espera. Muitas lesões, mudanças táticas, invenções na hora errada, discursos de pés no chão a cada tropeço, enfim, tudo isso culminou para a saída. Não me engano em entender que a relação com o diretor de futebol Rodrigo Caetano e com o vice de futebol Alexandre Wrobel também estavam estremecidas. Era muito ego para pouco espaço. Enquanto não entenderem que qualquer clube é maior do que os seus comandantes de momento, continuaremos tendo esses ocorridos.
Essa foi a quarta passagem do treinador no seu clube de coração. O aproveitamento foi de 63,8%, sendo 59 jogos com 34 vitórias, 14 derrotas e 11 empates. O problema é que as vitórias, com exceção das que salvaram o time da Série B não foram as que precisavam ser vencidas. Para quem gosta de números, juntando todas as passagens de Luxemburgo no Flamengo foram 245 jogos com 127 vitórias, 67 empates e 51 derrotas. De conquista apenas a Guanabara de 1995, o carioca de 2011 e o torneio de verão nesse ano. Para seu calibre é muito pouco. Agora é seguir seu caminho e torcer para que seu Flamengo siga bem sem ele.
Em breve deve sair o nome do substituto. Falam em Cristóvão Borges que também interessa ao Palmeiras e recentemente declinou a proposta do Grêmio. Eu ainda penso que Jayme de Almeida pode dar certo e terá sobrevida se vencer bem o Náutico na quarta-feira e o Fluminense no domingo. Além disso, a folha salarial coma  chegada de Guerrero e provavelmente mais dois jogadores caros, a tendência é não extrapolar no salário de técnico. Vamos aguardar.
Até a próxima!