sexta-feira, 15 de maio de 2015

VERGONHA SUL-AMERICANA - Por Rodrigo Curty


O Superclássico entre Boca Jrs e River Plate, infelizmente não foi do jeito que a torcida que gosta de futebol esperava. O jogo histórico deveria ser lembrado hoje de forma positiva, mas não foi o que aconteceu.
Tudo andava bem. O estádio La Bombonera ficou lotado com seus mais de 50 mil torcedores, sendo muitos desses verdadeiros marginais disfarçados.
Uma pena, pois o confronto desta vez foi muito além da rivalidade. Na primeira partida, a festa foi do River que fez a sua parte no Monumental de Núñez e venceu em jogo bastante pegado, ríspido e com a cara da Libertadores da América, porém nada além disso. Nada de problemas extracampos, afinal isso é inadmissível nos dias atuais.
O que foi visto na noite dessa 5ªfeira foi uma vergonha para a história do futebol, sobretudo da fanfarrona Conmebol que é responsável pela competição.
Após um primeiro tempo nervoso e de pouco futebol, a expectativa era de que na segunda etapa o Boca provaria porque terminou a fase de grupos na liderança. Triste engano.
Os jogadores do time da casa voltaram primeiro para o gramado, mas os do River Plate foram surpreendidos ainda não se sabe ao certo por quem ou por quais responsáveis pelo disparo de gás de pimenta.
As cenas foram lamentáveis. Jogadores manchados de vermelho, queimados na pele, e sem condição de enxergar e respirar direito. Era uma verdadeira palhaçada e infelizmente um retrato do que é em quase sua totalidade o futebol Sul-Americano, que definitivamente não evoluiu em todas as suas esferas.
A partida ficou interrompida por cerca de uma hora e 20 minutos, dando tempo para mais cenas que não vimos nem nos jogos de várzea. Torcedores nervosos jogando copos, gelo e outros objetos no gramado. Os jogadores do Boca batendo bola como se o River estivesse fazendo cena para voltar ao duelo. E o pior, uma provocação com certeza já planejada, pois alguém permitiu que um drone sobrevoasse o estádio com um "fantasma da Série B", ironizando o rebaixamento do River em 2011.
A Conmebol se ausentou, jogou a responsabilidade para à arbitragem que deveria ter tomado a decisão bem antes, porém deve ter se intimidado e ficado com medo de uma invasão. Mas sempre no meio de marginais, existem as pessoas de bem, então com o tempo passando, muitos deixaram o palco que antes era lembrado pelas suas grandes decisões e não por selvageria. Coube ao delegado da partida interromper o embate que precisa de uma definição ainda hoje do que será feito.
Sinceramente não sou a favor de um clube ser punido por erros de seu torcedor, quando existe casos, por exemplo de jogar objeto em campo, ofensas raciais e outras que fogem do controle, mas também não se pode permitir que o responsável pela segurança, no caso o Boca saia isento por situações extremas e surreais como a de ontem, assim o certo será classificar o River Plate, apenas por causa do tempo de partida já realizado e pela falta de condições. Outra coisa a ser feita é a interdição do La Bombonera por um período em competições internacionais e com portões fechados, afinal apenas assim poderá ser possível descobrir o responsável pelos atos de vandalismo e intimidar aqueles que pensam em fazer algo desse tipo no futuro.
Vamos aguardar os próximos capítulos e tentar resgatar o gosto de ver futebol.
Até a próxima!