quinta-feira, 16 de julho de 2015

O INTER VOLTOU A SER INTER - Por Rodrigo Curty


E a noite de quarta-feira foi tensa, vibrante e com final feliz para o Internacional. O Colorado que desde a paralisação da Copa Libertadores não se reencontrou com o bom futebol, seja por causa de lesões ou simplesmente por opções de seu treinador Diego Aguirre, jogou a primeira partida da semifinal da competição contra a bem armada e envolvente equipe do Tigres (Mex).
Era mais do que esperado que o Inter voltasse a ser Inter. Um time brigador, de alternativas táticas, velocidade e precisão.
A cidade de Porto Alegre estava gelada, chuvosa, porém nada que impedisse que o Beira-Rio ficasse completamente vermelho. Foram ao todo 44.884 torcedores presentes empurrando o time para buscar o terceiro título Intercontinental.
O início foi avassalador e passou a certeza de que a chavinha definitivamente foi virada. Antes dos 10’ de jogo, o time da casa já vencia por 2x0, gols de D'Alessandro e Valdívia. Parecia que a equipe mexicana não só perderia sua segunda partida no torneio como poderia ir para casa eliminada.
Mas aí veio a ducha de água fria. De tanto pressionar e mostrar maturidade para controlar o jogo, o Tigres chegou ao seu gol aos 24’, graças ao ex-ídolo Colorado e um dos protagonistas das conquistas em 2006 e 2010, Rafael Sobis que colocou a bola na cabeça de Ayala. Mais tarde o próprio Sobis e o famoso francês Gignac tiveram a chance de empatar, mas desperdiçaram, ou melhor, pararam no paredão Alisson, um dos melhores em campo.
Na segunda etapa, o jogo era igual até que aos 12’ o autor do gol dos visitantes, de forma justa acabou expulso de campo. Errou quem pensava que isso faria o Internacional ampliar o placar. É verdade que quase conseguiu em duas oportunidades com o argentino Lisandro López. O duelo seguiu tenso até o seu final e o placar não foi alterado. Desta forma, o time brasileiro joga por um empate na próxima semana em Monterrey. É bom não vacilar, afinal o time mexicano com um simples 1x0 avança à final. A melhor estratégia é entrar e marcar um gol, caso contrário, será mais um teste de coração para o time gaúcho que já sofre o bastante no Brasileirão, uma vez que consegue uma regularidade.
Vale ressaltar que definitivamente as maiorias das torcidas brasileiras são ingratas com seus ídolos.  Rafael Sobis foi vaiado, ofendido desde o aquecimento. Lamentável muitos não saberem separar paixão de profissionalismo.
Até a próxima!