quarta-feira, 1 de julho de 2015

FINAL JUSTA NA COPA AMÉRICA - Por Rodrigo Curty


A Copa América finalmente pode ter uma partida repleta de gols e belas jogadas. Se na 2ªfeira tivemos uma dos melhores jogos e vitória dos donos da casa, desta vez o que se viu foi um passeio argentino contra o Paraguai.
As duas Seleções se encontraram anteriormente na fase de grupos e empataram em 2x2. Na ocasião a Argentina dominou, mas vacilou contra o valente time paraguaio, que diga-se de passagem fez mais do que se esperava no torneio.
Dessa vez não teve jeito. Como já havia previsto, a chance de Messi e cia encontrarem os gols era enorme. O jogo até certo ponto foi equilibrado, pode acreditar! O Paraguai que começou afoito, equilibrou as ações, porém não desfruta de um elenco competente para se aproveitar nas oportunidades criadas. Então, azar deles.
Os Hermanos, por sua vez passearam e chegaram à mais uma final. A goleada e soberba nos 6x1 dão uma motivação e confiança a mais, isso ninguém pode duvidar. Messi quando joga solto é suicídio. Deixar o camisa 10 abastecendo Aguero, Di María e tendo ainda a ajuda de Pastore, além de um banco forte com Higuaín e Tevez, por exemplo é impossível não acreditar que finalmente o jejum de 22 anos sem conquista para o seu país se encerrará em breve. A única preocupação é no setor defensivo, que falha em alguns momentos que podem ser cruciais ao adversário de qualidade como é o Chile. Os donos da casa estão embalados e motivados com tanta euforia de seu povo que joga junto e trata o torneio como uma Copa do Mundo. As chances de levantarem o inédito título é enorme pelo que vem jogando.
Curioso é que o treinador Gerardo Martino em 2011 levou o Paraguai à decisão em 2011 e espera agora fazer da Argentina a maior vencedora da Copa América ao lado do Uruguai com 15 conquistas e afastar a síndrome do vice que também acompanha os chilenos, afinal, foram quatro vezes vice-campeonatos continentais (1955, 1956, 1979 e 1987).
Sábado conheceremos o campeão, mas é bom se atentar aos números. Das 14 conquistas dos hermanos, quatro foram conquistados no Chile. Para os donos da casa vale o retrospecto a favor dos mandantes. Das 22 vezes em que o país-sede chegou próximo ou disputou à final, em 19 oportunidades o time da casa foi o campeão. Qual será o final dessa história? A Argentina repetirá os seus feitos anteriores em pleno estádio Nacional ou o Chile sentira o gosto justo da glória na sua melhor geração de décadas?
É aguardar para ver. Até a próxima!