segunda-feira, 17 de agosto de 2015

LIDERANÇA DO TIMÃO NÃO EXISTE SÓ PELA ARBITRAGEM - Por Rodrigo Curty

E a 2ªfeira começou quente entre os torcedores das equipes que disputam a Série A do campeonato brasileiro. A arbitragem foi uma das principais razões. Para muitos, o Corinthians é o grande beneficiado. Protagonista das últimas três rodadas com arbitragem polêmica, o Timão, por sua vez, credita a sua liderança de quatro pontos de diferença para o Atlético MG e Grêmio como normal.
E por favor não me xinguem, mas de certa forma entendo que com razão. O Timão tem 12 vitórias e a melhor defesa do torneio. É um time bem organizado e mesmo jogando de forma burocrática, obediente e óbvia, hoje é um time a ser batido.
Entenda! Longe de querer defender as péssimas arbitragens até aqui, mas outros clubes da competição foram tão beneficiados quanto o atual líder, mas não tiveram a competência de se aproveitarem do erro e saírem vitoriosos. Isso sem falar de tantos outros que deixaram de somar pontos importantes pela quantidade de erros do trio. Não entrarei em detalhes de quem sofreu mais, uma vez que o bom e justo torcedor que acompanha sem paixão já sabe quem são esses.
Hoje poderia estar discutindo o time de melhor esquema, planejamento, poder de reação para o segundo turno, mas infelizmente o foco não poderia deixar de ser a lamentável prova viva do “Dia da caça e outro do caçador” que vive o Brasileirão. Parece que a maioria prefere ver e aguardar a lei da compensação para também poder vibrar com o erro a favor.
Mas por que o campeonato virou essa obsessão? Penso que uma das razões para essa situação é a falta de atenção para quem deveria ajudar a manter o bom espetáculo. Acredito que a maioria concorde de que está mais do que na hora de profissionalizar os responsáveis pelo apito. A preparação ainda é muito amadora. A profissão de árbitro no Brasil não deveria ser encarada como “bico”. Além disso, as reinvindicações do corpo docente atual é no mínimo ridícula. Fazer greve é a solução? Claro que não. O que deveria ocorrer de imediato, se considerarmos a atual conjuntura, era a classe toda sair de férias para se reciclar e os clubes racharem uma arbitragem estrangeira e sem vícios para A ou B. Mesmo assim teríamos problema, uma vez que os árbitros são seres humanos, logo estão no direito de errar.
Mas a ideia seria boa, porém ainda é um sonho distante, afinal, a CBF está como sempre omissa e mais preocupada com os lucros e as análises daqueles que se sentem prejudicados.
Já que é o que temos para o momento. Viva o Brasileirão ou Brasileirinho. Que venha o 2º turno, provavelmente para o desgosto profundo, repleto de erros, benefícios e torcedores se vangloriando ou se enfurecendo com a arbitragem. E claro, não podemos esquecer que tem a volta da Copa do Brasil. Pode anotar. Teremos surpresas entre os que passarão a fase seguinte. É só um palpite.
Até a próxima!