quinta-feira, 3 de setembro de 2015

MESMO COM ERROS DE ARBITRAGEM, TIMÃO SOBRA EM COMPETÊNCIA - Por Rodrigo Curty


A bola rolou pela a 22ª rodada do Brasileirão e infelizmente o grande protagonista novamente foi à arbitragem. A maioria do trio escalado nas partidas estragaram o espetáculo. Os mais prejudicados foram: Fluminense, Palmeiras e Atlético MG.
Mas antes de entrar nos detalhes, eu quero deixar claro que não estou fazendo conspiração para desvalorizar a liderança do Corinthians, afinal não há clube nenhum que seguiria sem perder desde a oitava rodada, contando apenas com os erros de arbitragem.  É bem verdade que muitos desses colaboraram para os comandados de Tite abrirem sete pontos de diferença para o segundo, o Atlético MG. A história da partida contra o Fluminense poderia ser outra se Sandro Meira Ricci e cia não invalidassem o gol legítimo de Cícero. É lamentável como esse tipo de erro desanima acompanhar a competição.
Mas é sabido que no futebol, apesar de manobras, equívocos, despreparo de dirigentes e comissão de arbitragem, além da falta de profissionalismo, os clubes também devem ter a competência de usar todo o seu potencial para não viver apenas de supostas ajudas. E isso, querendo ou não, o Timão tem. É um time burocrático, obediente taticamente e que não vacila quando tem a oportunidade de vencer as partidas.
Mas de volta às vacas magras. O Galo, atualmente é o time que mais sofreu com os erros. E ficou provado nessa última rodada. Contra o xará do Paraná, o árbitro carioca Marcelo de Lima Henrique e seus assistentes deram no mínimo dois impedimentos equivocadamente e uma penalidade discutível que custou a derrota, em pleno Independência. A ordem é tentar achar a paz e trabalhar para não encontrar apenas nesses erros, os motivos para não triunfar. Tem muita coisa pela frente, basta focar e não abaixar a cabeça para que, na pior das hipóteses, a Libertadores não seja outro sonho distante.
E por falar no G4, o Palmeiras sofre com os árbitros. Contra o Goiás, a reclamação foi pela anulação de um gol relativamente regular e uma penalidade não marcada. O palmeirense deve acreditar que isso ocorreu de forma natural e não intencional. Essas interpretações dão o que falar. Hoje o que chora , amanhã sorri, como se isso fosse o mais importante. 
É bom ficarmos de olho e principalmente manter a calma com o que vem por aí. Lembrar que antes de esperar “ajuda” ou “erros”, deverá torcer para que a sua equipe seja competente. Faltam 16 rodadas e ainda teremos muitos erros, benefícios para salvar da degola ou colocar A ou B no G4. A Copa do Brasil, que corre no paralelo pode ser a válvula de escape para os que se sentem perseguidos pela arbitragem. À conferir.
Até a próxima!