segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

O NOVO TRIENIO DO FLAMENGO - Por Rodrigo Curty

E está confirmado! Eduardo Bandeira de Mello foi reeleito e comandará a gestão do Flamengo por mais três anos. Mas o que o torcedor rubro-negro pode esperar dessa nova gestão?
Ora, a prioridade provavelmente continuará sendo a política dos pés no chão. Impossível não concordar que o clube teve uma administração quase exemplar. Sim, quase, pois alguns pontos que mereciam atenção ficaram em segundo plano, por exemplo o Centro de Treinamento.
Mas a reeleição provou que a maioria dos sócios, ídolos e empresários apostam que os erros serão corrigidos. Foram 1652 votos, contra 834 de Wallim Vasconcellos e 259 de Cacau Cotta, ou seja bem mais que a soma dos dois candidatos.
A missão será árdua e a cobrança maior ainda. É obrigação da nova gestão fazer do futebol o carro-chefe da Gávea. O Flamengo é grande e precisa voltar a viver de títulos e glórias. Voltar a ser referência nos esportes olímpicos. Ter uma administração exemplar também nas partes sociais.
Sinceramente as chances são boas. Existe muita gente empenhada em ajudar, mas enquanto o clube mantiver os “feudos”, tudo poderá ir por água abaixo.
É claro que tapar o sol com a peneira não é a melhor solução, mas se o imediatismo se volta ao seguimento futebol, é quase certo afirmar que o torcedor deve acreditar que esse terá um novo rumo ainda nesse ano. Muricy Ramalho chegou para ser o novo treinador. A expectativa é de que o comandante possa ficar pelo menos pelo período combinado(2 anos), afinal as trocas de treinadores no primeiro triênio foi um dos principais pontos para os péssimos resultados, sobretudo no Brasileirão. O “homem” que valoriza demais o “trabalho” se afastou do futebol por motivos de saúde e também para se reciclar. Fez estagio com Luis Enrique, no Barcelona. Está com saudade e com muita vontade de fazer o desafio dar certo. Veio por isso e não pelo salário. A comissão técnica também deverá ser montada, uma vez que seis profissionais estão à caminho do Tianjin Quanjian FC, time da segunda divisão chinesa e que tem Vanderlei Luxemburgo como treinador.
Em relação as parcerias, a equipe de Eduardo Bandeira terá muito trabalho. Será complicado renovar com as atuais ( Jeep, Vitton 44 e Tim, por exemplo). O trio somam hoje R$ 27 milhões aos cofres do clube. Em relação à Caixa Econômica, que rende R$ 28 milhões, as chances são boas de renovação. De qualquer maneira, o marketing rubro-negro é bem profissional e já se adiantou pelo menos para conseguir parceiros pontuais e rentáveis. O Flamengo ano que vem não terá a “sua casa”, por isso um dos grandes desafios da nova gestão é conseguir um “estádio” ao invés de ser um clube itinerante, afinal só dinheiro em caixa não será sinônimo de sucesso.
O planejamento deve ser assertivo, profissional e acima de tudo cumprido. Boa sorte ao novo triênio de Eduardo Bandeira de Mello e companhia.
Até a próxima!