sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

O PESO DE UM ÍDOLO - Por Rodrigo Curty


O futebol brasileiro a cada dia fica mais carente de ídolos. Seja porque os pratas-da-casa mal conseguem se firmar na equipe titular ou criar um vínculo há longo prazo ou porque os “medalhões” que chegam, logo são atraídos pelo mercado internacional.
Mas os poucos ídolos que surgem, jamais serão esquecidos. Hoje, especificamente, eu falo do São Paulo FC. No final de 2015 o maior ídolo presente no clube, encerrou a sua brilhante carreira. Rogério Ceni para a maioria dos são-paulinos, sem dúvida deixará saudade. O goleiro artilheiro foi um exemplo de amor, dedicação e liderança no tricolor. Teve mais momentos de glórias do que de “tragédias”, mesmo que essas às vezes tenham marcado até mais, enfim, o M1TO sempre estará presente no hall dos ídolos tricolores.
Já faz tempo, aliás, que o São Paulo não agrada a sua torcida. São vexames e elencos vergonhosos. Falta a tal referência em campo. Desta maneira, a torcida pediu e a diretoria, antes resistente, acabou cedendo. Diego Lugano, o valente zagueiro uruguaio está voltando.
O jogador é tão “amado” pelo time brasileiro, que mesmo sem ainda ter sido apresentado já aumentou a receita do clube.  Isso mesmo, nessa semana, Lugano foi o nome que mais vezes estampou a camisa na loja da São Paulo Mania. De quebra, bateu a marca de Rogério Ceni. Ok, a camisa de jogo normalmente é mais solicitada do que a do goleiro, mas não interessa, aqui vale o registro da carência citada acima. O peso de um ídolo faz toda a diferença, em todos os sentidos. Se assim não fosse, como explicar que a camisa 5 aumentou em quase 20% o total das vendas na loja virtual?
Agora resta saber como será a presença de Lugano em campo. Será apenas uma referência ou ainda dará conta do recado? Sinceramente, penso que na atual conjuntura, o jogador deveria atuar em apenas alguns jogos e de forma estratégica, ou seja, jamais pelos 90’. Preservar os ídolos, essa deveria ser a preocupação do tricolor.
Boa sorte Lugano e até a próxima!