sábado, 23 de abril de 2016

CAIU EM ITAQUERA JÁ ERA - Por Rodrigo Curty

E o Corinthians perdeu mais um mata-mata em seu estádio. Se contra os grandes, no que diz respeito os pontos corridos, o Timão domina às ações, mas nos confrontos de mata-mata, mas uma vez o time alvinegro sucumbiu diante de seu torcedor.
O adversário dessa semifinal foi o surpreendente Grêmio Osasco Audax, time muito bem dirigido pelo ex-jogador Fernando Diniz. O Corinthians sobrou na competição, mas pecou também pelo regulamento, que assinou com todos os outros clubes. Nessas horas a melhor campanha dá apenas o direito de decidir em casa, o que para os comandados de Tite foi um pesadelo.
A partida foi bem equilibrada. Não houve supremacia de nenhum dos lados. O time de Osasco provou que sabe jogar e bem com a bola nos pés. O time é compacto e toca bem a bola até a hora de dar o "bote". É bem verdade que erra lances bobos na parte defensiva, afinal foi assim que "deu" duas chances para o time da casa abrir o placar antes dos 10', numa delas na falta de confiança de Alan Mineiro. 
O Audax abriu o placar com um golaço de Bruno Paulo e manteve melhor que o Corinthians na primeira etapa. Na volta do intervalo, Tite mudou sua equipe. E deu certo. André, em falha de marcação, de cabeça empatou o jogo. Parecia que a virada viria, mas o time de Osasco não abriu mão da posse de bola e não tremeu. Foi aí que chegou a mais um golaço com Tchê Tchê, que de fora da área acertou o ângulo de Cássio. O estádio se calou e só voltou a gritar, após bela jogada de Romero e novo gol de André -  Um jogaço.
O empate levou a decisão para as penalidades. O drama, o nervosismo e a certeza de que não poderia perder novamente uma decisão na marca da cal(caiu diante do Palmeiras no ano passado, também nas semifinais), atrapalhou o Corinthians que perdeu duas penalidades - Fagner acertou a trave e Rodriguinho parou em Sidão. Do lado vermelho, Velicka, Tchê Tchê, Ytalo e Camacho marcaram e cravaram o time presidido por Vampeta na final inédita. 
Resta saber quem será o adversário. Santos e Palmeiras medem forças amanhã, na Vila Belmiro. A única certeza é que o time de Fernando Diniz não abrirá mão do bom futebol e falhas recompensadas pela qualidade do meio-ataque.
Ao Corinthians é levantar a cabeça e fazer de sua casa, uma força também no mata-mata.
Até a próxima!