segunda-feira, 23 de maio de 2016

CORINTHIANS E FLAMENGO SOBRE PRESSÃO - Por Rodrigo Curty

E apesar do Brasileirão está apenas em seu início, dois dos maiores clubes do país já sofrem com as cobranças e impaciência de suas torcidas. Para muitos, Corinthians e Flamengo são os protegidos da estatal Globo, e assim como ela se enfraqueceu para a temporada.
Ora, uma coisa nada tem a ver com a outra, afinal a questão "campo" transcende os bastidores externos. No Timão, o problema ganhou proporções, após as eliminações da Libertadores e do Paulistão. Tite, considerado o melhor treinador em atividade no Brasil, de fato conseguiu e consegue tirar "leite" de pedra. O elenco é sem dúvida nenhuma limitado. De uma equipe hexacampeã e com opções táticas, o clube hoje passa por sérios problemas financeiros e falta de alternativas para suprir as necessidades.
Os reforços que chegaram até certo ponto tiveram tempo para se adaptarem, porém é nítido que alguns sentirão e já são execrados pela massa corintiana. A derrota para o Vitória, de virada foi o que faltava para o ambiente ficar ainda mais conturbado. Já são cinco partidas sem saber o que é triunfar. Mas o torcedor deve ter calma. Algo me diz que bastará uma vitória convincente para as coisas voltarem ao normal.
Já no Flamengo a história é parecida. Ambiente conturbado, treinador praticamente fora do comando, por motivos de saúde, diretoria inoperante e jogadores sem crédito com à Nação rubro-negra. O ano realmente está sendo terrível para o clube carioca. Eliminações precoces para equipes consideradas bem abaixo tecnicamente e de série C, caso do Fortaleza, na Copa do Brasil. 
Eduardo Bandeira de Mello já não é nenhuma unanimidade, aliás, no futebol nunca foi. Se financeiramente o clube vai bem, nas contratações, erros de planejamento e empenho do time nas quatro linhas fica no mínimo à desejar. 
A derrota para o Grêmio, mesmo ao meu ver sendo injusta pelo que os times apresentarão, demonstrou mais uma vez que o Flamengo não adquiriu ainda um padrão tático e muito menos técnico. É um bando atrás de uma bola. Fora isso, o convívio não está saudável. Alguns jogadores como Guerrero não estão felizes. A torcida perdeu a calma, cobra demais e já deseja mudanças. O comando, caso se concretize a saída de Muricy Ramalho, provavelmente seja de Abel Braga, o que entendo ser um erro. Investir em treinador não é a melhor saída para o clube da Gávea, afinal já foram mais de 10 na gestão do atual presidente que começa de forma terrível seu segundo mandato. 
Vamos aguardar. A próxima rodada será crucial para a dupla acima entrar de vez nos eixos ou cair de vez nas atrocidades de seu torcedor. Faça a sua aposta, a minha é que Ponte Preta e Chapecoense não poderiam vir em melhor hora. Será?
Até a próxima!