segunda-feira, 27 de junho de 2016

MESSI APOSENTADO: AZAR DO FUTEBOL - Por Rodrigo Curty

E o mundo do futebol, sobretudo argentino está prestes a vivenciar mais uma dura despedida dos gramados. O maior gênio da atualidade, Lionel Messi está cansado, chateado e sem razões para seguir no comando da albiceleste. 
O craque não suporta mais o ambiente, a pressão e o desejo de muitos em vê-lo cair. É inacreditável tamanha ignorância da maioria em parecer torcer pelo "fracasso" ao "sucesso" do La Pulga. 
Um dos que mais desejam e forçam essa queda é o maior ídolo do país -  Maradona. Os hermanos tem no El Pibe de Oro, o "Deus" e em Messi o " Messias". Se o Deus argentino foi equivocado algumas semanas ao afirmar à Pelé que o camisa 10, dono da braçadeira não tem liderança sobre o grupo, hoje deve estar feliz ao ver a casa cair para o melhor do mundo de 29 anos. Resta saber se a lenha na fogueira continuará acesa na semana, uma vez que Maradona também afirmou que se a seleção não fosse campeã, que era melhor nem voltar ao país.
O que acontece nos bastidores no momento da derrota não pode ficar de fora. Assim como em outros países da América Latina, a Federação argentina é uma vergonha. Messi, antes mesmo da final já chamava à AFA de "desastre" e sabe os porquês, além de contar com o apoio da maioria e do técnico Tata Martino que não recebe salário há oito meses. 
Para quem não sabe, a AFA será administrada por uma comissão reguladora da Fifa até as eleições em junho de 2017. Pode ser o início de uma demandada de uma geração fantástica que não conseguiu vencer e entrar positivamente para a história do futebol.
A nova derrota em finais, a terceira seguida, apenas colaborou para que Messi desse esse triste passo na carreira. Pior, que esse quarto vice-campeonato dói demais no craque, afinal foi considerado o maior culpado por desperdiçar a sua cobrança de pênalti na decisão da Copa América Centenário contra o Chile, após empate sem gols.  
Mesmo tendo atuado por 90' em apenas duas partidas, Messi provou estar maduro e que pode sim render na seleção o mesmo que rende no Barcelona. A Argentina jogou o fino da bola e estava convincente. O craque marcou cinco gols e deu quatro assistências. Ultrapassou o artilheiro Gabriel Batistuta (55 gols em 113 jogos). Faltou o título para se consagrar de vez no seu país - Paciência. É levantar a cabeça e aceitar a crítica de seu povo que o vê mais espanhol do que argentino. No Barcelona os títulos não lhe faltam - foram 28 títulos.
Vamos aguardar para ver o desfecho. Saber se o craque voltará atrás de sua decisão. O certo é que a liderança não lhe falta. Se sair, deve levar consigo, nomes como o de  Mascherano, Lavezzi, Agüero, Banega, Biglia e Dí Maria, será?
A minha torcida é para que Messi siga adiante. O futebol mundial precisa dele, pois o azar pelas derrotas não é do craque e sim do esporte Bretão. Boa sorte Messi!
Até a próxima!