segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O MONSTRO DA NFL TEM NOME - Por Rodrigo Curty


foto: Veja
E olha que nem sempre ser chamado de monstro é algo negativo. Se hoje você pudesse ser Tom Brady e recebesse esse apelido ficaria bravo ou chateado? Creio que não.

Calma lá, eu também prefiro chamar aqueles que realmente fazem por onde de lendas ou fenômenos. E com o fantástico e, sim o quarterback “monstro” do New England Patriots não poderia ser diferente.

O Superbowl 51 jamais será esquecido pelo camisa 12, sua legião de fãs e também pelos seus adversários. O camisa 12 entrou mais uma vez na história da NFL, a liga de futebol americana. O “cara” conseguiu a proeza de estabelecer a maior marca de jardas em uma decisão nos 51 anos da competição (466 jardas) e, de quebra foi escolhido pela quarta vez na carreira como o MVP da finalíssima contra o valente e surpreendente Atlanta Falcons. A façanha valeu um recorde. Sim, ele superou a maior lenda até então, Joe Montana.

Alguns mais insanos podem não concordar e ainda acharem que Brady é apenas mais um “queridinho” privilegiado, midiático e famoso pelo seu rosto e casamento com a maior modelo de todas, a brasileira Gisele Bündchen.

Ora, mesmo que você não seja um grande conhecedor desse maravilhoso esporte e me coloco nessa, como sendo apenas um apreciador e com desejo de conhecer cada vez mais, terá que concordar que o craque aparece na hora que precisa e melhor, não faz isso sozinho e sim em equipe.

Os Falcons capitaneado pelo então MVP da temporada – Matt Ryan abriram surpreendentes 25 pontos de vantagem. A derrota para muitos parecia iminente, só parecia, afinal quem tem Brady, tem praticamente tudo na hora “H”.

O camisa 12 não começou bem a partida. Sofreu sacks inimagináveis, se equivocou em alguns momentos e fez de sua equipe uma presa fácil de ser batida. Parecia que o cenário não mudaria.

Mas como em qualquer esporte, o jogo só termina quando acaba, qualquer erro pode ser crucial. O intervalo o placar era de 21 a 3. Na volta subiu para impressionante 28 a 3. Os Patriots não acertavam uma jogada. Era a hora de Brady entrar no jogo, passar confiança para sua equipe e provar que é o “maior de todos”.

O inacreditável começava a acontecer. Faltando seis minutos, a diferença caiu para apenas oito pontos e faltando apenas 51 segundos para o fim, a derradeira. Brady iniciou uma campanha de 91 jardas até o touchdown de James White e viu Amedola converter mais dois pontos, igualando o placar em 28 a 28 e levando a partida para à prorrogação.

Daí já era tarde para os Falcons assimilarem o golpe. O astro dos Patriots “sobrou”. Não errava mais, estava leve e junto com a torcida que apoiou desde o início viu James White, com um touchdown de corrida colocar o nome dessa grande equipe no hall do esporte. Final, vitória de 34 a 28 e muitas lágrimas dos apaixonados pelo esporte.

Parabéns New England e até a próxima temporada que se inicia em setembro.