terça-feira, 14 de março de 2017

A HOMENAGEM DO BOTAFOGO A JAIR - Por Rodrigo Curty

E o Botafogo entrou de vez na Libertadores da América. O Glorioso que passou por equipes tradicionais como Colo-Colo (Chi) e Olímpia(Par) na fase de pré, caiu no grupo 1, considerado o da "morte", afinal conta além do Estudiantes (arg) com Barcelona (Equ) e o atual campeão Atlético Nacional(Col).
E a vida em General Severiano não é fácil. O time de investimento baixo é considerado pela maioria o mais "fraco" entre os participantes brasileiros na competição. Ora, o torneio já provou que nem sempre o mais forte ou favorito leva o troféu no final.
A humildade, trabalho no dia a dia, planejamento e união do grupo vem dando conta do recado. O treinador, Jair Ventura que comemorou nessa noite mais um ano de vida, segue provando que tem o grupo na mão e o respeito de dirigentes e torcedores.  
A homenagem recebida antes da partida não atrapalhou em nada o rendimento da equipe, na que pode ser considerada a partida mais dura até agora na temporada. Mesmo com o problema enfrentando no início de temporada, as equipes argentinas merecem respeito e atenção. O adversário de hoje é tradicional e tetracampeão da Libertadores. 
O jogo foi bastante equilibrado, ora com domínio do Fogão, ora domínio da "Academia". O estádio Nilton Santos mais uma vez foi um diferencial. Após três chances de gol para os argentinos, quem saiu comemorando foi o atacante Roger, em um voleio, mesmo que digam bicicleta. Um belo gol que trouxe mais calma para equipe e vibração de todos botafoguenses. No segundo tempo, o jogo seguiu equilibrado e, após uma falta boba do bom zagueiro Marcelo, Otero mandou a bola na casa da coruja, sem chance para Gatito Fernandez. 
A partir daí parecia que o time carioca sofreria a virada, parecia, porque aos 33', mais uma vez brilhou a estrela do atacante Rodrigo Pimpão. O atacante marcou o seu terceiro gol no torneio e enlouqueceu o estádio, o treinador Jair que comemorou com a torcida, depois com os jogadores e se emocionou no final, ganhando até bolo do furacão da Copa de 70 e familiares. Ele merece, afinal prova que tem competência e segurança para administrar a equipe, mesmo tendo agora apenas 38 anos.
A vitória provou que o Botafogo, diferente do que pensam está mais vivo do que nunca. O time foi forte fisicamente e bem emocionalmente. Soube jogar com inteligência e sem preocupações em encantar. Soube fazer o resultado. Em relação ao coração, concordo com o treinador, que em sua coletiva, afirmou que o torcedor terá que ser muito bem examinado antes dos próximos duelos. E olha que a segunda partida será uma pedreira - Atlético Nacional, em Bogotá. Depois eu conto.
Parabéns a Jair Ventura, sucesso e boa sorte ao Botafogo na jornada Libertadores. 
Até a próxima!